Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 8 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Radioatividade continua em Tokaimura, diz Greenpeace


Do Diário do Grande ABC

04/10/1999 | 08:32


De acordo com declaraçoes feitas pelo movimento ecológico Greenpeace, os índices de radiatividade nos arredores do complexo nuclear de Tokaimura (a 120 km de Tóquio) diminuíram nesta segunda-feira, mas permaneciam em um nível anormal, apesar das garantias governamentais, quatro dias depois do acidente.

``Os índices de radiatividade na cidade de Tokaimura superam bastante os estabelecidos anteriormente pelas autoridades, apesar do anúncio do restabelecimento da normalidade, efetuado pelo Governo" declara o Greenpeace.

A afirmaçao de entidade ecológioca seria equivocada, segundo Masaharu Nakazawa, professor de física da Universidade de Tóquio, mas mesmo que fosse certa ``nao poria em perigo a saúde da populaçao'', garante o especialista.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Radioatividade continua em Tokaimura, diz Greenpeace

Do Diário do Grande ABC

04/10/1999 | 08:32


De acordo com declaraçoes feitas pelo movimento ecológico Greenpeace, os índices de radiatividade nos arredores do complexo nuclear de Tokaimura (a 120 km de Tóquio) diminuíram nesta segunda-feira, mas permaneciam em um nível anormal, apesar das garantias governamentais, quatro dias depois do acidente.

``Os índices de radiatividade na cidade de Tokaimura superam bastante os estabelecidos anteriormente pelas autoridades, apesar do anúncio do restabelecimento da normalidade, efetuado pelo Governo" declara o Greenpeace.

A afirmaçao de entidade ecológioca seria equivocada, segundo Masaharu Nakazawa, professor de física da Universidade de Tóquio, mas mesmo que fosse certa ``nao poria em perigo a saúde da populaçao'', garante o especialista.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;