Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

João conta a história de Daniela


Do Diário do Grande ABC

12/06/2011 | 07:00


João Arruda, 18 anos, de Santo André: Sou sonhador; o mundo precisa de sonhos. Gosto de escrever sobre desejos ocultos que convertemos em sonhos à noite. O suspense me encanta e envolve o leitor com o texto, fazendo com que quem lê a história se coloque no lugar do personagem, vivendo a história. E a história é para ser vivida, não só lida.

 

Sobrevivente. Esta talvez seja a melhor descrição para Daniela, talvez não. Loira de cabelos enrolados, sem graça; mesmo os olhos verdes não lhe davam beleza. Magricela, lábios esbranquiçados e finos, andava como se nada mais existisse, como se o céu fosse seu objetivo. Andava admirando nuvens e estrelas. Parecia que não pertencia a este mundo e o mundo não lhe pertencia.

Morava em bairro nobre e sua escola era imponente e reconhecida. Era inteligentíssima, fora dos padrões das meninas de 14 anos como ela, mas o QI elevado não escondia sua alienação. A mãe compartilhava a atenção com outras duas filhas, igualmente loiras de olhos verdes, mas mais bonitas. Minto, a mãe não dava a mínima para ela. As irmãs, de 15 e 17, eram populares e chamavam mais atenção, deixando-a invisível.

Nunca se interessou por garotos nem eles por ela. Por brincadeira, falaram que o menino mais bonito da classe estava a fim dela. Claro que virou chacota da turma. Mesmo mantendo-se solitária, procurava manter-se bonita. Roubara o perfume das irmãs e um conjunto de maquiagem, embora não soubesse maquiar-se. Adorava o azul, era o céu condensado em uma ideia.

Um dia chuvoso, ao sair da escola, teve de ir a pé para casa; como sempre, a mãe esquecera dela. Daniela parecia fantasma vagando pela calçada. Os cabelos escorridos lembravam macarrão instantâneo; livros e cadernos, encharcados. Queria chegar em casa, onde não era bem-tratada.

Não entendia por que era rejeitada. Não ousava se voltar contra a mãe e as irmãs, mesmo a família não a suportando. Se não bastasse a idiotice de ficar olhando para o céu à noite, no quintal, Daniela tinha outras estranhezas, como a mania de organização. Bastava alguém mudar um objeto de lugar que ela o colocava de volta no exato espaço. E a fascinação pelo móbile da irmã, um Sistema Solar, no qual os planetas ficavam girando em volta do sol. Ao observar aquilo, sentia tranquilidade, podia fugir do mundo que a maltratava. Para ela, era prazeroso ver os objetos girarem; para a mãe, era sinal de completa psicose.

Caminhando, sentia-se cansada e triste, quando ouviu barulho estridente ao longe, como pneus girando em falso; barulho tão perturbador que ela desabou no choro. Quis fugir desse mundo, alcançar o azul do céu. O medo a percorria, precisava se proteger desse mundo que queria o seu mal. Encolheu-se no meio do dilúvio e não percebeu mais nada do que a perturbava. O som aquietou-se, a chuva cessou, o corpo ficou seco, quente e confortável. Só uma luz aproximando-se, levantou e foi em sua direção. Um baque, encontrou-se caída no chão e um líquido quente parecia sair das narinas e da cabeça, que parecia estar sendo martelada. O estômago retorceu-se em cólicas, e o pulmão não puxava mais ar. Vozes difusas ecoavam ao redor. Conseguia apenas ver um vulto enorme à frente; parecia uma caminhonete. Não conseguia mover-se. Repentinamente, sentiu a chuva se esvair. Brilhou um raio de sol entre as nuvens e o céu. O azul seria todo dela, finalmente teria paz. Não pertencia a este mundo; pertencia ao céu.

 

* Gostou dos textos de João Arruda? Você também pode mandar os seus. Envie contos, poesias,opiniões e até quadrinhos para o D+ (d+@dgabc.com.br). Em função do espaço, alguns são e ditados.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;