Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brasil é azarão nos Jogos de Inverno de Turim


Nilton Valentim
Do Diário do Grande ABC

05/02/2006 | 08:17


As chances brasileiras de conquistar uma medalha nos Jogos Olímpicos de Inverno de Turim (Itália), entre os dias 10 e 26 de fevereiro, são remotas. Tão escassas que pode-se dizer que a única possibilidade seria a ocorrência de um fato como o de quatro anos atrás, em Salt Lake City (EUA), quando todos os concorrentes da patinação caíram, dando o ouro para o azarão Steven Bradbury, da Austrália. Mesmo assim, não se pode dizer que o país está entrando numa fria, pois pode ao menos comemorar o fato de garantir classificação em cinco modalidades, o maior número da história.

Nos Jogos de Turim, o Brasil será representado por 11 atletas. No esqui alpino competem Mirella Arnhold e Nikolai Hentsch; no esqui cross country, Jaqueline Mourão e Hélio Freitas; snowboard, Isabel Clark, e a equipe de bobsled será formada por Armando dos Santos, Edson Luques Bindilatti, Márcio Silva, Ricardo Raschine, Samuel Bento e Claudinei Quirino. O Brasil ainda classificou-se no luge, com Renato Mizoguchi, mas o atleta sofreu um acidente no ano passado e não tem condições de disputar os Jogos Olímpicos.

Sem grande tradição nos Jogos de Inverno, até mesmo pelas condições climáticas, o Brasil havia participado apenas do esqui até Salt Lake City. Na edição passada, classificaram-se quatro esportes e este ano a novidade será o snowboard.

O melhor resultado já obtido pelo Brasil nos Jogos de Inverno foi o 27º lugar conquistado justamente pela equipe de bobsled em Salt Lake City. Na ocasião, os brasileiros competiam com um trenó de segunda mão. Desta vez, graças à Lei Agnelo/Piva de incentivo ao esporte, as modalidades contaram com verba federal e realizaram uma preparação melhor, tiveram a possibilidade de treinar no exterior e participar de competições internacionais.

“O aumento da verba foi fundamental, pois proporcionou a participação de nossos atletas em um número maior de competições internacionais. Um outro fator importante foi a aquisição de equipamentos de competição. Compramos novos trenós para nossas equipes”, afirmou Eric Maleson, presidente da CBDG (Confederação Brasileira de Desportos no Gelo) e capitão da equipe de bobsled.

A CBDN (Confederação Brasileira de Esportes na Neve) também investiu em preparação. “No cross country, tivemos três meninas disputando a vaga. No snowboard, montamos uma equipe com treinador, preparador físico, psicólogo e nutricionista para a Isabel, que está há dois anos praticamente direto na neve. No esqui alpino, a equipe também conta com serviços da melhor categoria. Foi uma superpreparação”, comemorou o presidente Stefano Arnhold.

Mesmo com todos estes benefícios, a participação brasileira nos Jogos de Inverno não deverá ser das mais empolgantes do ponto de vista dos resultados e os próprios dirigentes já ressaltam isso. “O objetivo para Turim é conseguir resultados entre os 20 melhores do mundo”, diz Maleson. É esperar para ver.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;