Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Rádios comunitárias sofrem com falta de investimento


Renata Rocha
Do Diário do Grande ABC

10/11/2014 | 07:04


Leis que não abrangem a realidade. Essa é a reclamação de trabalhadores que lutam para sobreviver em rádios comunitárias. Segundo a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), há 4.556 emissoras do tipo no País, sendo 585 no Estado e 11 na região.
Exemplo é a Rádio Paraty, no bairro Baeta Neves, em São Bernardo, na luta desde 1996. Os profissionais se queixam da falta de incentivo do poder público e leis que atrapalham a conquista de patrocinadores. Por isso, é comum que as rádios comunitárias contem com voluntários. “Existe para auxiliar a população. Hoje temos em torno de 30 colegas que realizam trabalhos voluntários na rádio. Além de tocar boa música e ajudar o próximo, essas pessoas fazem o que gostam. E o que faz a gente persistir no trabalho é o amor à profissão”, disse o radialista Antônio Eustáquio, 68 anos.

Na sexta-feira, foi comemorado o Dia dos Radialistas e, apesar de toda a dificuldade para sobreviver, Eustáquio não pensa em desistir da profissão. “Sou aposentado e sempre trabalhei no meio de comunicação. Se ficar em casa parado, acho que ficaria doente.”
Outra reivindicação dos radialistas do Grande ABC é mais de uma frequência de transmissão.

Atualmente muitas rádios comunitárias usam a mesma sintonia, 87,5. Daí, surgem os problemas. Por exemplo, se uma pessoa está ouvindo a Rádio Paraty no carro e chega no Centro de São Bernardo, começa a escutar outra rádio comunitária, pois o sinal é o mesmo.
“Tivemos uma reunião no Ministério Público Federal em fevereiro e apresentamos 14 reivindicações de melhorias. Uma das queixas foi a limitação dos apoios culturais. Hoje a gente só pode dizer o nome e endereço de quem nos apoia, mas o comerciante quer seu produto divulgado, o que faz com que alguns deixem de nos procurar”, disse Eustáquio.

Segundo o radialista Iziel de Assunção, 55, que apresenta um programa de música alternativa na Rádio Paraty, o prazer se dá pela proximidade com a comunidade. Além disso, ele se alegra por conseguir emplacar novos cantores no cenário musical. “É muito gostoso encontrar alguém na rua e a pessoa se mostrar feliz porque a música que ela faz é tocada aqui.” 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;