Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Centro cultural de Diadema exibe 'Panteras Negras'


Patrícia Vilani
Do Diário do Grande ABC

17/11/2003 | 18:23


Certa vez, o cineasta Carlos Reichenbach, que lançará em breve o longa Garotas do ABC, disse que Panteras Negras (Panthers, 1995), de Mario Van Peebles, era como todo filme militante deveria ser: direto e atordoante, como um soco no estômago. Programado para esta terça, às 19h, no Centro Cultural Eldorado (estrada Pedreira Alvarenga, 275), em Diadema, como parte da programação da Semana da Consciência Negra, Panteras Negras relembra o movimento contra a discriminação racial nos Estados Unidos. A sessão é gratuita.

O filme mostra a ascensão e a queda dos Panteras Negras, um famoso grupo de militantes negros dos anos 1960. A direção de Van Peebles – que é ator e aventurou-se na cadeira principal em apenas algumas ocasiões – é consistente. Isso porque aborda os diversos ângulos deste período delicado, mostrando a reação do governo norte-americano e o conflito entre as duas frentes, a primeira de caráter popular e a segunda, repressiva.

Há algumas imprecisões históricas, o que é comum em produções de ficção baseada em fatos reais, mas mesmo assim Panteras Negras consegue elucidar este que foi um dos momentos mais cruciais da luta pelos direitos humanos da comunidade negra dos Estados Unidos.

Quem assina o roteiro é Melvin Van Peebles, pai de Mario e cineasta reconhecido por ser o primeiro afro-americano que se tornou diretor – embora tenha ido à França para conseguir isso. Melvin foi aceito, mais tarde, pela Columbia, e passou a fazer fitas protagonizadas por negros, o que virou moda na época. Diretor e ator de mais de 20 filmes, ele escreveu cerca de 15 roteiros, além dos seus. Isso significa que Melvin pode ser considerado um dos precursores do cinema negro norte-americano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Centro cultural de Diadema exibe 'Panteras Negras'

Patrícia Vilani
Do Diário do Grande ABC

17/11/2003 | 18:23


Certa vez, o cineasta Carlos Reichenbach, que lançará em breve o longa Garotas do ABC, disse que Panteras Negras (Panthers, 1995), de Mario Van Peebles, era como todo filme militante deveria ser: direto e atordoante, como um soco no estômago. Programado para esta terça, às 19h, no Centro Cultural Eldorado (estrada Pedreira Alvarenga, 275), em Diadema, como parte da programação da Semana da Consciência Negra, Panteras Negras relembra o movimento contra a discriminação racial nos Estados Unidos. A sessão é gratuita.

O filme mostra a ascensão e a queda dos Panteras Negras, um famoso grupo de militantes negros dos anos 1960. A direção de Van Peebles – que é ator e aventurou-se na cadeira principal em apenas algumas ocasiões – é consistente. Isso porque aborda os diversos ângulos deste período delicado, mostrando a reação do governo norte-americano e o conflito entre as duas frentes, a primeira de caráter popular e a segunda, repressiva.

Há algumas imprecisões históricas, o que é comum em produções de ficção baseada em fatos reais, mas mesmo assim Panteras Negras consegue elucidar este que foi um dos momentos mais cruciais da luta pelos direitos humanos da comunidade negra dos Estados Unidos.

Quem assina o roteiro é Melvin Van Peebles, pai de Mario e cineasta reconhecido por ser o primeiro afro-americano que se tornou diretor – embora tenha ido à França para conseguir isso. Melvin foi aceito, mais tarde, pela Columbia, e passou a fazer fitas protagonizadas por negros, o que virou moda na época. Diretor e ator de mais de 20 filmes, ele escreveu cerca de 15 roteiros, além dos seus. Isso significa que Melvin pode ser considerado um dos precursores do cinema negro norte-americano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;