Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O suicídio impossível

Aécio Neves quer ser presidente da República - pode ser agora, pode ser mais tarde


Carlos Brickmann

20/12/2009 | 00:00


Aécio Neves quer ser presidente da República - pode ser agora, pode ser mais tarde. José Serra quer ser presidente da República - e é agora ou nunca. Este é o cenário da renúncia de Aécio à candidatura: ele tem tempo. E, por abrir o espaço para Serra, espera obter mais vantagens políticas no futuro do que obteria agora.

Serra é candidato: aos 65 anos, esta pode ser a última chance de realizar o sonho de sua vida. Pode até trocar a Presidência pela reeleição em São Paulo, mas não na atual situação, em que as pesquisas lhe dão ampla vantagem. Seu trabalho, agora, é buscar novas alianças e transformar Aécio em seu vice.

E Aécio? Com a renúncia, colocou-se como a noiva desejada e difícil, em condições de impor seus termos ao candidato e ao partido. Pode exigir, por exemplo, um acordo em que Serra aceite um só mandato, e ele seja o candidato em 2014. Pode exigir o comando do partido, hoje formalmente nas mãos de políticos pouco expressivos e, informalmente, exercido pelo ex-presidente Fernando Henrique. No comando do partido, terá condições de buscar novas alianças, incluindo uma que ainda é possível, com o PMDB, e seu tempo de TV.

Para Aécio, é melhor Serra do que qualquer nome do PT. Pois, se o PSDB fica de fora, Aécio pode se preparar para uns 12 anos de exílio político: quatro de quem for eleito, mais oito de Lula, prontinho para tentar o retorno em 2014. Aos 49 anos, Aécio tem tempo para aguentar o mau momento, mesmo que o PT chegue ao poder. O que não tem, nem terá, é paciência para isso.

TUDO DE BOM
De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o colunista chegou ao limite. Esta coluna é a última do ano. Mas, considerando-se que os anos de experiência engrossaram-lhe a pele, é por pouco tempo: no dia 6, primeira quarta-feira de 2010, já deve estar de volta.

2010, O ANO-FANTASMA
O jornalista Paulo Chedid garante que não haverá 2010. Com chuva, calor e cerveja, há que esperar o Carnaval - e, em seguida, a Semana Santa. Mas como iniciar o ano antes da Copa? E depois da Copa, festejando a vitória ou falando mal de Dunga? Até as eleições, claro. Com segundo turno. A festa dos vitoriosos e as festas de fim de ano - mas que fim de ano, se o ano nem terá começado?

LIGA PRA MIM
Paulo Skaf, membro do PSB e presidente da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo), o líder dos socialites socialistas, trabalha para convencer o PT a apoiá-lo na campanha para o governo paulista. Conversou com o senador Aloízio Mercadante, com o deputado estadual Rui Falcão, o deputado federal Candido Vacarezza, todos figuras importantes do partido; esteve com o presidente Lula. Até agora, o resultado foi o mesmo do movimento ‘Cansei', que ele liderou: zero. O PSB o quer como candidato. Só que Edinho Silva, presidente estadual do PT, diz que o PSB é ótimo, mas com Skaf candidato não há chance de acordo.

FIQUE FELIZ: ESTAMOS MAL
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que não é preciso se preocupar com a desvalorização do dólar: o déficit internacional do Brasil cuidará de valorizá-lo (aliás, já o vem elevando). O problema é que Mantega apresenta este déficit internacional, previsto para US$ 40 bilhões em 2010, como uma boa notícia. Não é: significa que o Brasil terá de pegar mais dinheiro emprestado. E muito: é o maior rombo dos últimos 60 anos. Mantega lembra Ciro Gomes, que quando foi ministro da Fazenda e era tucano saudava entusiasmado os déficits comerciais. Depois, foi aquela dificuldade para abater um pouco a dívida.

A LEI E O MENINO SEAN
O que estão fazendo com o garoto Sean Goldman, disputado por duas famílias que estão preocupadas com a vitória nos processos e não com o bem-estar do menino, é inacreditável; mais inacreditável ainda é saber que a Justiça brasileira, presa à letra da lei, deixa a solução para mais tarde. Lembrando: Sean é filho de uma brasileira e de um americano. Há alguns anos, a mãe veio com o filho para o Brasil, e daqui informou o marido de que não voltaria. Casou-se de novo; mais tarde, morreu de parto. O garoto é disputado pelos dois viúvos da mãe, o americano (seu pai biológico) e o brasileiro; e não apareceu nenhum Rei Salomão que zele pelos direitos da criança e harmonize as relações entre as famílias. Desta última vez, a Justiça brasileira decidiu devolver o garoto ao pai americano, mas uma liminar o manteve com a família brasileira. Nova solução, só em 2010.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O suicídio impossível

Aécio Neves quer ser presidente da República - pode ser agora, pode ser mais tarde

Carlos Brickmann

20/12/2009 | 00:00


Aécio Neves quer ser presidente da República - pode ser agora, pode ser mais tarde. José Serra quer ser presidente da República - e é agora ou nunca. Este é o cenário da renúncia de Aécio à candidatura: ele tem tempo. E, por abrir o espaço para Serra, espera obter mais vantagens políticas no futuro do que obteria agora.

Serra é candidato: aos 65 anos, esta pode ser a última chance de realizar o sonho de sua vida. Pode até trocar a Presidência pela reeleição em São Paulo, mas não na atual situação, em que as pesquisas lhe dão ampla vantagem. Seu trabalho, agora, é buscar novas alianças e transformar Aécio em seu vice.

E Aécio? Com a renúncia, colocou-se como a noiva desejada e difícil, em condições de impor seus termos ao candidato e ao partido. Pode exigir, por exemplo, um acordo em que Serra aceite um só mandato, e ele seja o candidato em 2014. Pode exigir o comando do partido, hoje formalmente nas mãos de políticos pouco expressivos e, informalmente, exercido pelo ex-presidente Fernando Henrique. No comando do partido, terá condições de buscar novas alianças, incluindo uma que ainda é possível, com o PMDB, e seu tempo de TV.

Para Aécio, é melhor Serra do que qualquer nome do PT. Pois, se o PSDB fica de fora, Aécio pode se preparar para uns 12 anos de exílio político: quatro de quem for eleito, mais oito de Lula, prontinho para tentar o retorno em 2014. Aos 49 anos, Aécio tem tempo para aguentar o mau momento, mesmo que o PT chegue ao poder. O que não tem, nem terá, é paciência para isso.

TUDO DE BOM
De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o colunista chegou ao limite. Esta coluna é a última do ano. Mas, considerando-se que os anos de experiência engrossaram-lhe a pele, é por pouco tempo: no dia 6, primeira quarta-feira de 2010, já deve estar de volta.

2010, O ANO-FANTASMA
O jornalista Paulo Chedid garante que não haverá 2010. Com chuva, calor e cerveja, há que esperar o Carnaval - e, em seguida, a Semana Santa. Mas como iniciar o ano antes da Copa? E depois da Copa, festejando a vitória ou falando mal de Dunga? Até as eleições, claro. Com segundo turno. A festa dos vitoriosos e as festas de fim de ano - mas que fim de ano, se o ano nem terá começado?

LIGA PRA MIM
Paulo Skaf, membro do PSB e presidente da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo), o líder dos socialites socialistas, trabalha para convencer o PT a apoiá-lo na campanha para o governo paulista. Conversou com o senador Aloízio Mercadante, com o deputado estadual Rui Falcão, o deputado federal Candido Vacarezza, todos figuras importantes do partido; esteve com o presidente Lula. Até agora, o resultado foi o mesmo do movimento ‘Cansei', que ele liderou: zero. O PSB o quer como candidato. Só que Edinho Silva, presidente estadual do PT, diz que o PSB é ótimo, mas com Skaf candidato não há chance de acordo.

FIQUE FELIZ: ESTAMOS MAL
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que não é preciso se preocupar com a desvalorização do dólar: o déficit internacional do Brasil cuidará de valorizá-lo (aliás, já o vem elevando). O problema é que Mantega apresenta este déficit internacional, previsto para US$ 40 bilhões em 2010, como uma boa notícia. Não é: significa que o Brasil terá de pegar mais dinheiro emprestado. E muito: é o maior rombo dos últimos 60 anos. Mantega lembra Ciro Gomes, que quando foi ministro da Fazenda e era tucano saudava entusiasmado os déficits comerciais. Depois, foi aquela dificuldade para abater um pouco a dívida.

A LEI E O MENINO SEAN
O que estão fazendo com o garoto Sean Goldman, disputado por duas famílias que estão preocupadas com a vitória nos processos e não com o bem-estar do menino, é inacreditável; mais inacreditável ainda é saber que a Justiça brasileira, presa à letra da lei, deixa a solução para mais tarde. Lembrando: Sean é filho de uma brasileira e de um americano. Há alguns anos, a mãe veio com o filho para o Brasil, e daqui informou o marido de que não voltaria. Casou-se de novo; mais tarde, morreu de parto. O garoto é disputado pelos dois viúvos da mãe, o americano (seu pai biológico) e o brasileiro; e não apareceu nenhum Rei Salomão que zele pelos direitos da criança e harmonize as relações entre as famílias. Desta última vez, a Justiça brasileira decidiu devolver o garoto ao pai americano, mas uma liminar o manteve com a família brasileira. Nova solução, só em 2010.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;