Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Morando busca reunião com MPF e Justiça para debater saída de Museu do Trabalhador

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito de São Bernardo quer transformar estrutura no Centro em uma fábrica de Cultura; obra está embargada desde dezembro após ação da PF


Raphael Rocha
do Diário do Grande ABC

22/05/2017 | 07:00


O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), diz pretender se reunir com a promotora Fabiana Bortz, do MPF (Ministério Público Federal), para discutir saídas para o Museu do Trabalho e do Trabalhador. Fabiana foi quem assinou investigação que deflagrou, em dezembro, a Operação Hefesta, da PF (Polícia Federal), que apontou irregularidades na construção do prédio localizado no Centro.

Desde a operação, a obra do museu está embargada pela Justiça. Segundo o tucano, a estrutura começa a se deteriorar. Ele também afirma querer expor sua ideia de mudar o objeto do prédio.

“Estou pedindo encontro, eu mesmo, com a procuradora e juíza do caso para levar minha intenção de mudar o objeto e saber o que a Justiça pensa. Posso encerrar contrato (com as empreiteiras), encerrar o prédio? O tempo vai passando, é adversário de quem governa. (O prédio) Está deteriorando. Quero encaminhamento para a obra”, declara Morando.

Idealizado pelo ex-prefeito Luiz Marinho (PT) para falar sobre as lutas trabalhistas na cidade – em especial as batalhas sindicais, capitaneadas por seu padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) –, o Museu do Trabalho e do Trabalhador coleciona problemas e atrasos. O projeto começou a sair do papel em 2012, porém nunca ficou pronto. O prédio estava previsto para consumir R$ 18 milhões, mas, antes da Operação Hefesta, já estava orçado em R$ 21,68 milhões.

A ideia de Morando é transformar o Museu do Trabalho e do Trabalhador em fábrica de Cultura. Entretanto, o Ministério da Cultura havia vetado a mudança de objeto do local. Na semana passada, Roberto Freire (PPS) deixou a Pasta e renovou as esperanças do governo tucano. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morando busca reunião com MPF e Justiça para debater saída de Museu do Trabalhador

Prefeito de São Bernardo quer transformar estrutura no Centro em uma fábrica de Cultura; obra está embargada desde dezembro após ação da PF

Raphael Rocha
do Diário do Grande ABC

22/05/2017 | 07:00


O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), diz pretender se reunir com a promotora Fabiana Bortz, do MPF (Ministério Público Federal), para discutir saídas para o Museu do Trabalho e do Trabalhador. Fabiana foi quem assinou investigação que deflagrou, em dezembro, a Operação Hefesta, da PF (Polícia Federal), que apontou irregularidades na construção do prédio localizado no Centro.

Desde a operação, a obra do museu está embargada pela Justiça. Segundo o tucano, a estrutura começa a se deteriorar. Ele também afirma querer expor sua ideia de mudar o objeto do prédio.

“Estou pedindo encontro, eu mesmo, com a procuradora e juíza do caso para levar minha intenção de mudar o objeto e saber o que a Justiça pensa. Posso encerrar contrato (com as empreiteiras), encerrar o prédio? O tempo vai passando, é adversário de quem governa. (O prédio) Está deteriorando. Quero encaminhamento para a obra”, declara Morando.

Idealizado pelo ex-prefeito Luiz Marinho (PT) para falar sobre as lutas trabalhistas na cidade – em especial as batalhas sindicais, capitaneadas por seu padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) –, o Museu do Trabalho e do Trabalhador coleciona problemas e atrasos. O projeto começou a sair do papel em 2012, porém nunca ficou pronto. O prédio estava previsto para consumir R$ 18 milhões, mas, antes da Operação Hefesta, já estava orçado em R$ 21,68 milhões.

A ideia de Morando é transformar o Museu do Trabalho e do Trabalhador em fábrica de Cultura. Entretanto, o Ministério da Cultura havia vetado a mudança de objeto do local. Na semana passada, Roberto Freire (PPS) deixou a Pasta e renovou as esperanças do governo tucano. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;