Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Crise entre EUA e Venezuela ofusca Cuba na Cúpula



05/04/2015 | 07:40


A aguardada estreia de Cuba na Cúpula das Américas, na próxima semana, pode ser ofuscada pelo enfrentamento entre Venezuela e EUA e a insistência do presidente Nicolás Maduro em obter uma declaração que condene as sanções impostas por Washington a sete autoridades do país acusadas de violação de direitos humanos e corrupção.

A maioria dos países da região, entre os quais o Brasil, gostaria de manter o assunto em segundo plano e focar a atenção na presença de Raúl Castro entre os 35 líderes do continente que se reunirão no Panamá, dias 10 e 11. Será a primeira participação de Cuba em uma Cúpula das Américas e a primeira interação oficial do país com todo o continente no âmbito de uma instituição regional desde sua suspensão da Organização dos Estados Americanos (OEA), em 1962.

Apesar de as sanções americanas atingirem apenas sete indivíduos, sua linguagem deu a Maduro uma bandeira contra Washington. Para impor as penalidades, o presidente Barack Obama cumpriu o protocolo legal de declarar Caracas uma "ameaça" à segurança nacional do país. Maduro usou a expressão para denunciar uma suposta intenção dos EUA de invadir a Venezuela e derrubar seu governo.

O enfrentamento entre Washington e Caracas coloca Cuba em uma situação "desconfortável", avalia Harold Trinkunas, diretor do programa sobre América Latina do Brookings Institution. Segundo ele, Havana terá de encontrar um equilíbrio entre a aproximação com os EUA e a lealdade com a Venezuela.

No Panamá, Maduro pretende entregar a Obama um abaixo-assinado com milhões de adesões pedindo a revogação das sanções impostas no dia 9 de março. Roberta Jacobson, secretária assistente para as Américas do Departamento de Estado, diz que as penalidades não afetam a economia nem o governo venezuelano. "A questão das sanções contra sete indivíduos assumiu proporções exageradas", disse ela, na sexta-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Crise entre EUA e Venezuela ofusca Cuba na Cúpula


05/04/2015 | 07:40


A aguardada estreia de Cuba na Cúpula das Américas, na próxima semana, pode ser ofuscada pelo enfrentamento entre Venezuela e EUA e a insistência do presidente Nicolás Maduro em obter uma declaração que condene as sanções impostas por Washington a sete autoridades do país acusadas de violação de direitos humanos e corrupção.

A maioria dos países da região, entre os quais o Brasil, gostaria de manter o assunto em segundo plano e focar a atenção na presença de Raúl Castro entre os 35 líderes do continente que se reunirão no Panamá, dias 10 e 11. Será a primeira participação de Cuba em uma Cúpula das Américas e a primeira interação oficial do país com todo o continente no âmbito de uma instituição regional desde sua suspensão da Organização dos Estados Americanos (OEA), em 1962.

Apesar de as sanções americanas atingirem apenas sete indivíduos, sua linguagem deu a Maduro uma bandeira contra Washington. Para impor as penalidades, o presidente Barack Obama cumpriu o protocolo legal de declarar Caracas uma "ameaça" à segurança nacional do país. Maduro usou a expressão para denunciar uma suposta intenção dos EUA de invadir a Venezuela e derrubar seu governo.

O enfrentamento entre Washington e Caracas coloca Cuba em uma situação "desconfortável", avalia Harold Trinkunas, diretor do programa sobre América Latina do Brookings Institution. Segundo ele, Havana terá de encontrar um equilíbrio entre a aproximação com os EUA e a lealdade com a Venezuela.

No Panamá, Maduro pretende entregar a Obama um abaixo-assinado com milhões de adesões pedindo a revogação das sanções impostas no dia 9 de março. Roberta Jacobson, secretária assistente para as Américas do Departamento de Estado, diz que as penalidades não afetam a economia nem o governo venezuelano. "A questão das sanções contra sete indivíduos assumiu proporções exageradas", disse ela, na sexta-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;