Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Fim da quarentena no Estado e em S.Caetano acende sinal de alerta

Claudinei Plaza/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Anderson Fattori

18/08/2021 | 05:35


O Estado de São Paulo e São Caetano colocaram ontem fim à quarentena imposta há 481 dias para conter a disseminação do coronavírus. Agora, estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços podem funcionar sem limitações de ocupação ou de horário. Nas outras seis cidades do Grande ABC as restrições continuam pelo menos até o dia 31 e os comércios podem receber até 80% da capacidade – 60% em São Bernardo – e abrir as portas das 6h até meia-noite – em São Bernardo o fim do expediente será as 22h, com tolerância de uma hora.

A flexibilização total neste momento é criticada por integrantes da Sociedade Paulista de Infectologia e pelo infectologista e fundador do IBSP (Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente), José Ribamar Branco, que não enxergam argumentos científicos que amparem a decisão dos governos do Estado e de São Caetano, que não aderiu à decisão coletiva tomada pelos prefeitos da região em assembleia realizada semana passada no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC.

O principal argumento das seis cidades do Grande ABC para não aderirem ao fim da quarentena é a variante delta do coronavírus, que tem feito estrago em várias partes do mundo e no Rio de Janeiro, que ontem tinha seis cidades (Bom Jesus do Itabapoana, Cantagalo, Taguaí, Itaperuna, Miracema e Nova Friburgo) com todos leitos públicos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ocupados.

A preocupação das cidades do Grande ABC é compartilhada por Branco, que não vê com bons olhos o fim da quarentena. “Única estratégia das políticas públicas que existem hoje no Brasil é a sorte, porque os números não dão segurança para essa flexibilização. Temos apenas 30% da população (paulista) com duas doses da vacina e a faixa etária de 50 a 60 anos ainda não completou a segunda dose. O esquema completo é fundamental para controlar a expansão dessa variante delta. Essa medida otimista não corresponde aos fatos que temos visto em outras localidades”, comentou o especialista.

O infectologista acredita que São Paulo e o Brasil deveriam usar exemplos de outros países que tiveram de retroceder na flexibilização. “Israel, que já vacinou com as duas doses mais de 80% da população, teve que dar um passo atrás. A pior coisa é ter que retroceder. Só existe uma forma neste cenário que estamos vendo de isso não acontecer aqui: sorte. Não é uma estratégia baseada em números. Sei que há ansiedade para a reabertura, mas não vamos ganhar do vírus no grito”, destacou.

“Compreendemos as necessidades econômicas e sociais de nossa população, manifestamos nossa contínua solidariedade àqueles que tiveram suas vidas e seus empregos destroçados pela pandemia. No entanto, entendemos que a abertura deveria ser gradual e lenta, face aos riscos representados pela variante delta do coronavírus. Países com altas taxas vacinais, como Israel e os Estados Unidos, têm passado por aumento de casos e de mortes, embora essas últimas se mostrem menos frequentes em pessoas vacinadas. O que dizer do Brasil, onde a população adulta vacinada ainda é inferior ao desejável?”, questionou, em nota, a Sociedade Paulista de Infectologia.

Doria, no entanto, garantiu que a retomada é segura. “A vida está voltando ao normal no Estado de São Paulo, de forma segura, passo a passo, garantindo vidas, garantindo a proteção e garantindo também a retomada das atividades econômicas no Estado de São Paulo.” 

Doria dissolve centro de contingência, mas mantém 7 integrantes

No mesmo dia em que coloca fim à quarentena, o Estado de São Paulo também dissolveu o Centro de Contingência para o Coronavírus, que foi criado em março de 2020, no início da crise sanitária, e que ajudava o governo nas decisões políticas e sanitárias durante a pandemia de Covid.

 Dos 21 especialistas que compunham o grupo, apenas sete permanecem, entre eles o secretário de Saúde de São Bernardo, Geraldo Reple Sobrinho. Além dele, permanecem João Gabbardo, que é o coordenador executivo do centro de contingência; David Uip, que, além de médico pessoal do governador João Doria (PSDB), é reitor da Faculdade de Medicina do ABC; Paulo Menezes; José Medina; Carlos Carvalho; e Luiz Carlos Pereira todos ligados à medicina.

 Por meio de nota, o governo do Estado confirmou a dissolvição do grupo e agradeceu o trabalho desenvolvido durante a pandemia. “O governo do Estado agradece e enaltece o trabalho dos 21 integrantes do Centro de Contingência de Covid, que contribuíram de forma pró-bono desde o início da pandemia para o combate à doença, sempre com base na saúde e na ciência para adoção das melhores práticas preventivas e assistenciais para salvar vidas. O Estado foi pioneiro na constituição de um grupo do tipo no Brasil, criado inclusive dez meses antes dos Estados Unidos pelo governo do democrata Joe Biden”, disse o governo em nota. “Atendendo às necessidades dos integrantes, o grupo técnico de apoio ao Estado será mantido com sete profissionais, o que não representa demérito aos demais”, acrescentou a nota. 

O centro de contingência, entre outras atribuições, aconselhava o governador na tomada de decisões sobre a flexibilização ou não das regras do Plano São Paulo levando em consideração os indicadores da pandemia e a projeção para as semanas seguintes



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;