Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Imunologista que desvendou
coronavírus passa a atuar na USCS

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ester Sabino, que participou de sequenciamento do vírus em 2020, é nova pesquisadora da universidade em São Caetano


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

06/08/2021 | 00:01


A imunologista Ester Sabino, que participou em 2020 do sequenciamento do coronavírus que foi realizado em tempo recorde no Brasil – apenas 48 horas, quando o padrão era de 15 dias –, é a nova pesquisadora da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) e defende que conhecer o vírus é crucial para que seja possível entender a pandemia da Covid. “A gente conseguiu mostrar que dava para fazer rapidamente enquanto a pandemia estava ocorrendo. E é o que permite identificar novas variantes, como a crise evolui, se estão surgindo mutações em determinadas regiões”, citou.

Embora tenha aumentado o número de sequenciamentos feitos no Brasil – segundo Ester, eram 2.000 no ano passado e já são 25 mil em 2021 – o volume ainda é bem inferior ao que se faz em outros países. Na Inglaterra, explicou a pesquisadora, cerca de 5% dos mais de 5,9 milhões de casos foram sequenciados, algo em torno de 300 mil. “Acho que no Brasil estamos chegando em um patamar razoável. Não é o ideal, mas já é bem melhor do que tínhamos no ano passado”, afirmou.

Ester explicou que o aumento de casos da variante delta, que foi identificada inicialmente na Índia, tem potencial para fazer com que a pandemia volte a acelerar no Brasil, que tem vivenciado média menor de casos e mortes em decorrência da Covid. A imunologista explicou que o maior risco é a baixa cobertura vacinal – até ontem, cerca de 50% da população brasileira havia tomado uma dose da vacina e 21% estavam com o esquema completo. “As experiências de Israel e dos Estados Unidos estão mostrando que é preciso percentual maior de pessoas imunizadas, entre 70% e 80%, para poder barrar os efeitos dessa variante (delta)”, pontuou.

A pesquisadora citou que nos Estados Unidos a baixa cobertura vacinal está relacionada com o fato de que tem sido frequente a recusa da vacina. No Brasil, algumas cidades decidiram colocar no fim da fila quem recusar o imunizante para escolher a marca, casos de São Bernardo e São Caetano. Ester avalia como muito triste esse descrédito da ciência, que não é situação que ocorre apenas na atualidade, mas que se potencializou com o alcance das redes sociais e a disseminação em massa de informações falsas. “Principalmente quando você tem um governo que apoia esse tipo de influência. É um problema que aumenta ainda mais a dificuldade em responder à pandemia.”

Ester foi contratada pela USCS para atuar com pesquisas e vai trazer para a região a experiência de 30 anos de quem fez parte de grandes momentos da ciência e da saúde no País, como quando foram montadas as redes de genotipagem para análise de carga viral do HIV, além do enfrentamento à pandemia de zikavírus.

A pesquisadora vai atuar na área de tecnologia para o SUS (Sistema Único de Saúde), pensando a saúde pública como um todo. Testes melhores e mais baratos, sistemas de informação para resposta a determinados problemas, como controle de frequência em pré-natal, detecção de infecções, entre outras iniciativas, terão sua atenção. “Tem um mundo para se fazer na atenção primária”, afirmou.

A imunologista destacou a importância dos gestores terem o entendimento de que investimentos na atenção primária podem ajudar a saúde pública. “Com atenção primária organizada fica mais fácil trabalhar emergências, detectar e organizar.”
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;