Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Mais 500 menores fogem da Febem Imigrantes


Do Diário do Grande ABC

12/09/1999 | 21:10


Depois de uma noite de desassossego quando os parentes começaram a chegar para a visita, neste domingo, por volta do meio-dia, teve início nova fuga em massa de internos do Complexo Imigrantes da Febem, com capacidade para 350 menores, mas lotaçao de 1.500. Segundo informaçoes nao oficiais, fugiram cerca de 500 - um terço do total. Em torno de 200 foram recapturados. O motim começou na ala B, espalhou-se para a D e a C.

Conforme o deputado Renato Simoes (PT), após as fugas, a maioria entre meio-dia e 13h30, quando a Tropa de Choque voltou, a situaçao ficou totalmente fora de controle. "Nao se consegue fazer a chamada nas unidades, saber quem fugiu e quem ficou, afinal", disse. "A sensaçao é de falta de comando absoluta."

Os garotos capturados voltavam machucados, sangrando, com cortes na cabeça, hematomas, braços e pernas quebrados, ferimentos provocados por balas de borracha. A cada grupo que chegava com marcas da violência, crescia a revolta. Os recapturados queixavam-se de ter apanhado muito. Os de dentro ficavam inquietos. "Nao se consegue impor disciplina nas unidades", contou Simoes. "Quando se pensa que acalmou, começa outro problema."

Com metade da ala D queimada, nao se tinha onde acomodá-los. Sem informaçoes dos filhos, os pais desesperavam-se. A fila de visitantes tinha mais de 200 pessoas. Aos poucos, a direçao foi liberando a entrada.

Desorientados, diretores e funcionários faziam o que podiam. O presidente da Febem, Guido de Andrade, e o diretor-técnico Esaú Cobra Ribeiro nao estavam lá. O deputado Paulo Teixeira (PT) classificou os tiros de balas de borracha dados pelos PMs contra maes e jornalistas como "mau uso da força". Para Givanildo Manoel da Silva, da Associaçao de Maes e Amigos da Criança e do Adolescente em Risco (Amar), os policiais mostraram falta de controle e respeito. "Os pais queriam informaçoes sobre os filhos que estao sob a guarda do Estado e deveriam estar cumprindo medida socioeducativa." O governador Mário Covas (PSDB) só soube do novo motim uma hora depois do início. Ele prometeu apurar a situaçao.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;