Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Inadimplência registra avanço de 3,9% em julho



13/08/2010 | 07:08


O crescimento acelerado do endividamento está pressionando os índices de inadimplência no Brasil. Em julho, o indicador Serasa Experian de inadimplência do consumidor registrou alta de 3,9% em relação ao mesmo mês do ano passado. Esta é a terceira alta seguida na comparação anual, informou ontem a empresa especializada em análise de crédito.

Em relação a junho, o indicador apontou elevação de 1,5% na inadimplência em julho. Segundo economistas da Serasa, as dívidas feitas no Dia das Mães e no Dia dos Namorados contribuem para o avanço da inadimplência.

"Além das compras nas datas comemorativas em maio e junho e das constantes promoções do varejo, com prazos mais alongados para diluir a elevação da taxa de juros, o consumidor carrega dívidas desde março, quando aproveitou a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para comprar veículos e eletrodomésticos da linha branca", disseram os técnicos da empresa.

No acumulado do ano até julho, no entanto, a inadimplência registra queda de 1,4% em relação ao mesmo período de 2009. "Mesmo em ritmo moderado, a perspectiva é de que a inadimplência continue crescendo até o fim do ano".

Em julho, as dívidas com cartões de crédito puxaram o crescimento da inadimplência, com alta de 4,4% em relação ao mês anterior e peso de 1,4 ponto percentual no índice geral, de 1,5%. As dívidas em atraso com bancos avançaram 0,3% no período, enquanto os títulos protestados subiram 7,4%. Por outro lado, os cheques devolvidos por falta de fundos recuaram 1,4%.

VALOR DAS DÍVIDAS
De janeiro a julho, o valor médio dos cheques sem fundos foi de R$ 1.230,23, o que indica alta de 39,2% em relação ao registrado no mesmo período de 2009. No caso das dívidas bancárias não pagas, o valor médio foi de R$ 1.324,09 (baixa de 0,7%).

Títulos protestados tinham valor médio de R$ 1.162,20 (alta de 5,9%) e a inadimplência com cartão de crédito atingiu valor médio de R$ 384,37 (alta de 3,8%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Inadimplência registra avanço de 3,9% em julho


13/08/2010 | 07:08


O crescimento acelerado do endividamento está pressionando os índices de inadimplência no Brasil. Em julho, o indicador Serasa Experian de inadimplência do consumidor registrou alta de 3,9% em relação ao mesmo mês do ano passado. Esta é a terceira alta seguida na comparação anual, informou ontem a empresa especializada em análise de crédito.

Em relação a junho, o indicador apontou elevação de 1,5% na inadimplência em julho. Segundo economistas da Serasa, as dívidas feitas no Dia das Mães e no Dia dos Namorados contribuem para o avanço da inadimplência.

"Além das compras nas datas comemorativas em maio e junho e das constantes promoções do varejo, com prazos mais alongados para diluir a elevação da taxa de juros, o consumidor carrega dívidas desde março, quando aproveitou a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para comprar veículos e eletrodomésticos da linha branca", disseram os técnicos da empresa.

No acumulado do ano até julho, no entanto, a inadimplência registra queda de 1,4% em relação ao mesmo período de 2009. "Mesmo em ritmo moderado, a perspectiva é de que a inadimplência continue crescendo até o fim do ano".

Em julho, as dívidas com cartões de crédito puxaram o crescimento da inadimplência, com alta de 4,4% em relação ao mês anterior e peso de 1,4 ponto percentual no índice geral, de 1,5%. As dívidas em atraso com bancos avançaram 0,3% no período, enquanto os títulos protestados subiram 7,4%. Por outro lado, os cheques devolvidos por falta de fundos recuaram 1,4%.

VALOR DAS DÍVIDAS
De janeiro a julho, o valor médio dos cheques sem fundos foi de R$ 1.230,23, o que indica alta de 39,2% em relação ao registrado no mesmo período de 2009. No caso das dívidas bancárias não pagas, o valor médio foi de R$ 1.324,09 (baixa de 0,7%).

Títulos protestados tinham valor médio de R$ 1.162,20 (alta de 5,9%) e a inadimplência com cartão de crédito atingiu valor médio de R$ 384,37 (alta de 3,8%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;