Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Marcha das mulheres reúne milhares nos EUA em sua 4ª edição

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/01/2020 | 19:12


Milhares foram as ruas em mais de 180 cidades nos Estados Unidos neste sábado na quarta edição da Marcha das Mulheres. O movimento, que teve início na manhã seguinte à posse do presidente Donald Trump, neste ano apresentou temas como mudanças climáticas, equidade salarial, direitos reprodutivos e imigração.

Na capital Washington, cidade que costuma concentrar as maiores manifestações, o número de participantes foi consideravelmente menor na comparação com anos anteriores. No ano passado, o movimento chegou a atrair 100 mil pessoas na cidade.

A primeira marcha, em 2017, levou milhares de pessoas as ruas em diversas cidades do país um dia após a posse de Trump. Naquele ano, a marcha na capital federal reuniu quase 1 milhão de pessoas.

Em Manhattan, neste sábado, centenas de pessoas se reuniram na Foley Square e na Columbus Circle e marcharam até a Times Square. "Hoje, vamos ser a mudança que é necessária neste mundo! Hoje, vamos nos levantar para o poder!", disse a ativista Donna Hill para uma multidão reunida na Foley Square.

No centro de Los Angeles, milhares de homens, mulheres e crianças ocuparam diversos quarteirões enquanto seguiam da praça central rumo ao parque próximo da prefeitura, onde os manifestantes ouviram discursos de Jennifer Siebel Newsom, esposa do governador da Califórnia, Gavin Newsom, do prefeito Eric Garcetti e da deputada Maxine Waters (Partido Democrata), entre outros.

Em Denver, ao invés da manifestação após a marcha os organizadores optaram por convidar os participantes a se reunir nas sedes de organizações locais para aprender mais sobre questões como direitos reprodutivos, mudanças climáticas, segurança na concessão de porte e posse de armas e o voto.

Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Marcha das mulheres reúne milhares nos EUA em sua 4ª edição


18/01/2020 | 19:12


Milhares foram as ruas em mais de 180 cidades nos Estados Unidos neste sábado na quarta edição da Marcha das Mulheres. O movimento, que teve início na manhã seguinte à posse do presidente Donald Trump, neste ano apresentou temas como mudanças climáticas, equidade salarial, direitos reprodutivos e imigração.

Na capital Washington, cidade que costuma concentrar as maiores manifestações, o número de participantes foi consideravelmente menor na comparação com anos anteriores. No ano passado, o movimento chegou a atrair 100 mil pessoas na cidade.

A primeira marcha, em 2017, levou milhares de pessoas as ruas em diversas cidades do país um dia após a posse de Trump. Naquele ano, a marcha na capital federal reuniu quase 1 milhão de pessoas.

Em Manhattan, neste sábado, centenas de pessoas se reuniram na Foley Square e na Columbus Circle e marcharam até a Times Square. "Hoje, vamos ser a mudança que é necessária neste mundo! Hoje, vamos nos levantar para o poder!", disse a ativista Donna Hill para uma multidão reunida na Foley Square.

No centro de Los Angeles, milhares de homens, mulheres e crianças ocuparam diversos quarteirões enquanto seguiam da praça central rumo ao parque próximo da prefeitura, onde os manifestantes ouviram discursos de Jennifer Siebel Newsom, esposa do governador da Califórnia, Gavin Newsom, do prefeito Eric Garcetti e da deputada Maxine Waters (Partido Democrata), entre outros.

Em Denver, ao invés da manifestação após a marcha os organizadores optaram por convidar os participantes a se reunir nas sedes de organizações locais para aprender mais sobre questões como direitos reprodutivos, mudanças climáticas, segurança na concessão de porte e posse de armas e o voto.

Fonte: Associated Press.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;