Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Atividade da indústria em junho surpreende, mas queixas continuam


Marcelo Moreira
Do Diário do Grande ABC

29/07/2005 | 08:12


As reclamações do empresariado continuam, mas a desaceleração da economia custa a atingir a gravidade que o mercado está apregoando. O INA (Indicador do Nível de Atividade), apurado em conjunto pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), teve um "surpreendente crescimento positivo" de 2,2% em junho ante maio com ajuste sazonal. No semestre, outra surpresa, uma taxa de 4,6% em comparação com igual período do ano passado.

O diretor do Departamento de Pesquisas Econômicas da Fiesp, Paulo Francini, admitiu que "um bom resultado não era esperado", mas tratou de readequar o seu discurso às queixas gerais à conjuntura. "Mas são números pontuais e não representam uma mudança de tendência.".

Em outras palavras, ao longo do primeiro semestre o INA registrou variações positivas e negativas seguidamente, o que indica, na média, uma desaceleração da atividade desde o início do ano, de acordo com a Fiesp. Em maio, por exemplo, o INA subiu apenas 0,1% ante abril. E em abril, havia crescido 2,2% contra março, que havia registrado variação negativa em 0,2% na comparação com Fevereiro. "Tudo isso nos faz manter a projeção inicial de que o INA fecha o ano por volta de 4%", disse Francini. Em 2004, o indicador encerrou dezembro perto dos 9%.

Mesmo assim, há certa dificuldade para explicar índices que insistem em contrariar as previsões negativas da indústria. Agora a crise política envolvendo as denúncias contra o PT e o governo federal se somam aos juros altos e ao dólar barato como elementos que estão corroendo – e que devem corroer no segundo semestre – a rentabilidade e o crescimento das empresas. Mas algumas taxas teimam em não cair.

Mês atípico – Junho, de acordo com Francini, foi um mês fora de curso. A alta foi influenciada por uma possível, mas não perceptível pelo indicador, tendência à formação de estoques, e pelo contínuo aumento das exportações. "Em junho, o indicador tem influência do crédito que estimula a demanda interna e de exportações", completou o diretor do Ciesp Antonio Corrêa de Lacerda.

As vendas reais da indústria cresceram 5,7% em junho (sem ajuste sazonal), e os setores que definitivamente puxaram a alta "surpreendente" do INA em junho foram Produtos Químicos, Petroquímicos e Farmacêuticos, com alta de 5,6% em junho ante maio (com ajuste), veículos automotores 4,6% na mesma base e outros equipamentos de transporte, ligado sobretudo à Embraer, mas o número aberto não foi divulgado.

Na ponta negativa, o desempenho de pior destaque foi o de minerais não-metálicos, ligados à construção civil, com queda de 3,4% sobre o mês anterior. Chama especialmente a atenção o nível de utilização da capacidade instalada do setor de Coque, refino de Petróleo, Combustível Nuclear e Produção de Álcool, que opera praticamente no limite, com 98% de ocupação da capacidade.

Em maio, esse indicador estava em 97%. Em junho, o nível médio de utilização da capacidade instalada (Nuci) da indústria paulista foi de 83% ante 81,1% em maio e 80,8% em junho do ano passado. Para Francini, nada do que foi registrado no INA em junho reflete a crise política. "Se houver algum impacto, dificilmente será positivo. Mas só veremos os reflexos no futuro", afirmou o diretor da Fiesp.

Mais reclamação – O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, defendeu nesta quinta-feira uma redução gradual, sem radicalismos, dos juros, que considera responsáveis pela retração industrial e pelo desaquecimento da economia. O empresário procurou separar crise política e estagnação econômica, dizendo que o desaquecimento começou muito antes dos escândalos em Brasília. "Desde os primeiros dias deste ano já sentíamos a retração. O cenário político conturbado agrava, mas não é só isso. A política econômica, com esses juros absurdos, tem prejudicado muito mais", disse.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;