Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Rio Tinto pode cortar empregos em mina de carvão



14/08/2013 | 05:23


A Rio Tinto informou há pouco que espera queda na produção e corte de empregos em sua mina de carvão de Warkworth, no leste da Austrália, independentemente do seu recurso contra uma decisão judicial para bloquear os planos para estender as operações da unidade.

A companhia está envolvida em uma disputa judicial com alguns moradores de Bulga, perto da mina Warkworth, que avaliam que a expansão da unidade destruiria a sua comunidade.

Segundo Harry Kenyon-Slaney, chefe da divisão de energia da Rio Tinto, o resultado do recurso não será conhecido no curto prazo. Com isso, não será possível evitar o corte de empregos na unidade.

"Estamos forçados a operar em um espaço reduzido, o que afeta a produtividade e aumenta os custos", disse Kenyon-Slaney. "Se isso continuar, será impossível manter os níveis de produção da mina, o que reflete diretamente no número de empregos, que também deve ser reduzido". Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Rio Tinto pode cortar empregos em mina de carvão


14/08/2013 | 05:23


A Rio Tinto informou há pouco que espera queda na produção e corte de empregos em sua mina de carvão de Warkworth, no leste da Austrália, independentemente do seu recurso contra uma decisão judicial para bloquear os planos para estender as operações da unidade.

A companhia está envolvida em uma disputa judicial com alguns moradores de Bulga, perto da mina Warkworth, que avaliam que a expansão da unidade destruiria a sua comunidade.

Segundo Harry Kenyon-Slaney, chefe da divisão de energia da Rio Tinto, o resultado do recurso não será conhecido no curto prazo. Com isso, não será possível evitar o corte de empregos na unidade.

"Estamos forçados a operar em um espaço reduzido, o que afeta a produtividade e aumenta os custos", disse Kenyon-Slaney. "Se isso continuar, será impossível manter os níveis de produção da mina, o que reflete diretamente no número de empregos, que também deve ser reduzido". Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;