Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Militar dos EUA: Coréia do Norte pode tentar invadir a do Sul


Da AFP

26/11/2002 | 10:43


O general americano James Soligan disse nesta terça-feira que a Coréia do Norte poderá utilizar os corredores de transporte atualmente em construção entre as duas Coréias para invadir o Sul.

Soligan chegou a esta conclusão depois que a Coréia do Norte se recusou a continuar as obras de ligação ferroviária e rodoviária, a menos que o Comando das Nações Unidas, liderado pelos Estados Unidos (UNC), levante o controle sobre os corredores na zona desmilitarizada (DMZ) que divide os dois países.

A Coréia do Norte e a Coréia do Sul começaram os trabalhos para retirar as minas da DMZ como preparativo para abrir duas séries de corredores pelos quais planejam construir duas rodovias e duas ferrovias. Os dois países chegaram a um acordo, em setembro passado, para retirar as minas dessa região.

No entanto, os trabalhos de retirada foram paralisados há duas semanas quando Pyongyang pediu que o UNC, órgão internacional que supervisiona o acordo de armistício que pôs fim à Guerra da Coréia (1950-53), levante a vigilância sobre os corredores de transporte entre os dois países. O UNC negou este pedido.

"Os norte-coreanos gostariam de criar esses corredores fora da zona desmilitarizada e sem o controle das autoridades", declarou Soligan. "Desta maneira, se assim for decidido, poderão mobilizar forças de combate por esse corredor e pôr em perigo a segurança do Sul", acrescentou o oficial.

Segundo o acordo de armistício que pôs fim à Guerra da Coréia em 1953, a Coréia do Norte tem sob sua jurisdição a metade Norte da área de 4 km de extensão da zona desmilitarizada, enquanto que o UNC supervisiona a metade Sul.

"A Coréia do Norte não gosta quando lhe pedem para prestar contas por suas violações do acordo de armistício", observou Soligan. "Por isso, gostaria de criar uma zona que não faça parte do acordo. Assim, o mundo não poderia pedir contas por suas ações", acrescentou.

O militar americano acusou Pyongyang de prejudicar o projeto de ligação ferroviária e rodoviária ao qual, inicialmente, havia dado todo seu apoio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Militar dos EUA: Coréia do Norte pode tentar invadir a do Sul

Da AFP

26/11/2002 | 10:43


O general americano James Soligan disse nesta terça-feira que a Coréia do Norte poderá utilizar os corredores de transporte atualmente em construção entre as duas Coréias para invadir o Sul.

Soligan chegou a esta conclusão depois que a Coréia do Norte se recusou a continuar as obras de ligação ferroviária e rodoviária, a menos que o Comando das Nações Unidas, liderado pelos Estados Unidos (UNC), levante o controle sobre os corredores na zona desmilitarizada (DMZ) que divide os dois países.

A Coréia do Norte e a Coréia do Sul começaram os trabalhos para retirar as minas da DMZ como preparativo para abrir duas séries de corredores pelos quais planejam construir duas rodovias e duas ferrovias. Os dois países chegaram a um acordo, em setembro passado, para retirar as minas dessa região.

No entanto, os trabalhos de retirada foram paralisados há duas semanas quando Pyongyang pediu que o UNC, órgão internacional que supervisiona o acordo de armistício que pôs fim à Guerra da Coréia (1950-53), levante a vigilância sobre os corredores de transporte entre os dois países. O UNC negou este pedido.

"Os norte-coreanos gostariam de criar esses corredores fora da zona desmilitarizada e sem o controle das autoridades", declarou Soligan. "Desta maneira, se assim for decidido, poderão mobilizar forças de combate por esse corredor e pôr em perigo a segurança do Sul", acrescentou o oficial.

Segundo o acordo de armistício que pôs fim à Guerra da Coréia em 1953, a Coréia do Norte tem sob sua jurisdição a metade Norte da área de 4 km de extensão da zona desmilitarizada, enquanto que o UNC supervisiona a metade Sul.

"A Coréia do Norte não gosta quando lhe pedem para prestar contas por suas violações do acordo de armistício", observou Soligan. "Por isso, gostaria de criar uma zona que não faça parte do acordo. Assim, o mundo não poderia pedir contas por suas ações", acrescentou.

O militar americano acusou Pyongyang de prejudicar o projeto de ligação ferroviária e rodoviária ao qual, inicialmente, havia dado todo seu apoio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;