Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Lembranças da Feliz Lusitânia


Heloisa Cestari
Do Diário do Grande ABC

02/09/2010 | 07:06


 Inicialmente batizada de Feliz Lusitânia, em homenagem aos fundadores portugueses, Belém possui uma série de construções históricas. Remanescente da época, o Forte do Presépio foi a primeira edificação erguida na vila e hoje funciona como museu. Marca não só a fundação da capital como a própria colonização portuguesa da Amazônia, no século 17.

Do lado externo da fortaleza, o circuito denominado Sítio Histórico da Fundação da Cidade revela canhões e vestígios arquitetônicos recuperados em prospecções. Mas é do lado de dentro que o forte guarda as mais preciosas relíquias da história amazônica, com urnas funerárias, fragmentos arqueológicos e objetos em cerâmicas indígenas tapajônica e marajoara datados de mais de 3.000 anos.

Um ponto turístico para historiador nenhum botar defeito é o Núcleo Cultural Feliz Lusitânia. Trata-se de um complexo de museus revitalizado na última década como forma de resgatar os quase 400 anos de história da capital. A primeira etapa foi concluída em 1998, com a inauguração do Museu de Arte Sacra, composto pela Igreja de Santo Alexandre (antiga igreja de São Francisco Xavier, erguida a partir de 1698) e pelo palácio episcopal.

Além do rico acervo litúrgico, o espaço abriga espetáculos teatrais, recitais e chama a atenção para sua decoração barroca, caracterizada pela mistura de elementos jesuíticos e indígenas. Destaque para as pinturas de óleo sobre tela e para as esculturas meticulosamente trabalhadas em madeira policromada, dos séculos 17 a 19, com iluminação em fibra ótica.

Depois de inaugurado o Museu de Arte Sacra, teve início o Sistema Integrado de Museus, que deu origem aos museus do Círio, do Forte do Presépio e da Casa das Onze Janelas. Transferido para sua nova sede em 2002, o Museu do Círio, como o próprio nome indica, narra toda a história do Círio de Nazaré, desde quando a primeira procissão foi realizada, em 1793, com transporte da imagem de Maria em carro de boi, até os dias atuais, representados por fotos, mantos, brinquedos populares e réplicas em cera de partes do corpo humano deixadas pelos devotos durante do evento.

Para completar o tour museológico, confira as exposições de arte do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, arrendado pelo governo estadual em 2001, e os acervos arqueológico e de artes visuais do Museu do Estado do Pará, instalado no Palácio Lauro Sodré.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;