Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Pinheiro estende abono a servidora de licença maternidade

Arquivo/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mas, Paço de S.Caetano não garante adicionial a funcionário afastado por motivo de doença


Júnior Carvalho
Especial para o Diário

18/05/2014 | 07:00


A Prefeitura de São Caetano enviou à Câmara projeto que altera o abono destinado a servidores públicos da Educação. A proposta, no entanto, estende o benefício apenas aos funcionários que cumprem licença maternidade ou paternidade. A reivindicação da categoria era de que o adicional também fosse oferecido aos trabalhadores afastados por motivos de doença. A proposta será votada na terça-feira, em dois turnos. Depois, seguirá para a sanção do prefeito Paulo Pinheiro (PMDB), caso seja aprovada.

Pela atual legislação, os servidores afastados por qualquer motivo não têm direito ao abono. A alteração na lei vinha sendo discutida desde que o Executivo enviou o abono ao Legislativo, no mês passado. Inicialmente, os vereadores propuseram apresentar emenda ao projeto, mas os parlamentares recuaram quando o Palácio da Cerâmica se comprometeu a reparar a medida. O pagamento do adicional aos educadores que estão de licença maternidade/paternidade também será retroativo ao mês de março.

“O projeto atende ao que foi acordado com o prefeito há algumas semanas. O abono, na verdade, seria apenas para quem está no seu posto de trabalho”, afirmou o líder do governo, Jorge Salgado (Pros). A expectativa dos funcionários do setor era de que, pelo menos, a gratificação fosse proporcional aos dias trabalhados, já que a legislação vigente prevê a suspensão do pagamento do benefício caso o servidor falte no trabalho.

A gratificação – que varia entre R$ 100 e $ 1.000 – foi aprovada pela Câmara no mês passado e provocou crise entre o funcionalismo, o Paço e o Sindserv (Sindicato dos Funcionários Públicos e Autárquicos). Parte dos educadores pede que o adicional seja incorporado aos vencimentos, como o chefe do Executivo havia sinalizado em 2013. A Prefeitura alega não ter dinheiro em caixa para viabilizar a promessa neste ano, mas que fará até 2016.

Servidores têm reclamado de perseguições e represálias por parte da Corregedoria. Alguns, inclusive, teriam sido dispensados. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pinheiro estende abono a servidora de licença maternidade

Mas, Paço de S.Caetano não garante adicionial a funcionário afastado por motivo de doença

Júnior Carvalho
Especial para o Diário

18/05/2014 | 07:00


A Prefeitura de São Caetano enviou à Câmara projeto que altera o abono destinado a servidores públicos da Educação. A proposta, no entanto, estende o benefício apenas aos funcionários que cumprem licença maternidade ou paternidade. A reivindicação da categoria era de que o adicional também fosse oferecido aos trabalhadores afastados por motivos de doença. A proposta será votada na terça-feira, em dois turnos. Depois, seguirá para a sanção do prefeito Paulo Pinheiro (PMDB), caso seja aprovada.

Pela atual legislação, os servidores afastados por qualquer motivo não têm direito ao abono. A alteração na lei vinha sendo discutida desde que o Executivo enviou o abono ao Legislativo, no mês passado. Inicialmente, os vereadores propuseram apresentar emenda ao projeto, mas os parlamentares recuaram quando o Palácio da Cerâmica se comprometeu a reparar a medida. O pagamento do adicional aos educadores que estão de licença maternidade/paternidade também será retroativo ao mês de março.

“O projeto atende ao que foi acordado com o prefeito há algumas semanas. O abono, na verdade, seria apenas para quem está no seu posto de trabalho”, afirmou o líder do governo, Jorge Salgado (Pros). A expectativa dos funcionários do setor era de que, pelo menos, a gratificação fosse proporcional aos dias trabalhados, já que a legislação vigente prevê a suspensão do pagamento do benefício caso o servidor falte no trabalho.

A gratificação – que varia entre R$ 100 e $ 1.000 – foi aprovada pela Câmara no mês passado e provocou crise entre o funcionalismo, o Paço e o Sindserv (Sindicato dos Funcionários Públicos e Autárquicos). Parte dos educadores pede que o adicional seja incorporado aos vencimentos, como o chefe do Executivo havia sinalizado em 2013. A Prefeitura alega não ter dinheiro em caixa para viabilizar a promessa neste ano, mas que fará até 2016.

Servidores têm reclamado de perseguições e represálias por parte da Corregedoria. Alguns, inclusive, teriam sido dispensados. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;