Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cúpula do Brics pedirá apoio a organismos multilaterais



25/07/2018 | 07:00


Além das suas ofensivas particulares, a China vai usar sua participação no Brics como uma vitrine pública a seu favor na guerra comercial que trava com os Estados Unidos.

No comunicado final da 10.ª cúpula do grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, que ocorre a partir desta quarta-feira, 25, em Johannesburgo, os países mencionarão sua posição conjunta favorável aos organismos multilaterais, em particular à Organização Mundial do Comércio (OMC), capitaneada pelo brasileiro Roberto Azevedo.

"Há temas importantes que serão tratados na declaração pelos líderes. Eu destacaria a defesa do multilateralismo, em função do que ocorre hoje no mundo, tensão sobre as organizações multilaterais, em particular sobre a OMC", disse o subsecretário-geral da Ásia e do Pacífico e responsável pelo Brics no Itamaraty, o embaixador Henrique Sardinha Pinto.

Segundo ele, é uma preocupação do Brasil e dos parceiros do grupo fazer uma manifestação "bastante firme e segura" em defesa dos princípios que norteiam o multilateralismo. E não se tratou de um pedido da China, como confirmou no Brasil, ainda na semana passada, o diretor do Departamento de Mecanismos Inter-regionais, ministro Kenneth Félix da Nóbrega. Ele negou que os chineses tenham apelado aos demais países para abordarem a guerra comercial na declaração de Johannesburgo.

A posição contrária a medidas protecionistas não é nova no Brics nem em outros grupos, como o G-7 e G-20, por exemplo. Este será, no entanto, o primeiro comunicado conjunto após o início da guerra comercial que travam as duas maiores potências do mundo.

Ainda que não haja outro tipo extra de abordagem do assunto, a avaliação entre os membros do grupo é de que o recado de apoio à continuidade de um mercado livre será suficiente para os demais players mundiais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cúpula do Brics pedirá apoio a organismos multilaterais


25/07/2018 | 07:00


Além das suas ofensivas particulares, a China vai usar sua participação no Brics como uma vitrine pública a seu favor na guerra comercial que trava com os Estados Unidos.

No comunicado final da 10.ª cúpula do grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, que ocorre a partir desta quarta-feira, 25, em Johannesburgo, os países mencionarão sua posição conjunta favorável aos organismos multilaterais, em particular à Organização Mundial do Comércio (OMC), capitaneada pelo brasileiro Roberto Azevedo.

"Há temas importantes que serão tratados na declaração pelos líderes. Eu destacaria a defesa do multilateralismo, em função do que ocorre hoje no mundo, tensão sobre as organizações multilaterais, em particular sobre a OMC", disse o subsecretário-geral da Ásia e do Pacífico e responsável pelo Brics no Itamaraty, o embaixador Henrique Sardinha Pinto.

Segundo ele, é uma preocupação do Brasil e dos parceiros do grupo fazer uma manifestação "bastante firme e segura" em defesa dos princípios que norteiam o multilateralismo. E não se tratou de um pedido da China, como confirmou no Brasil, ainda na semana passada, o diretor do Departamento de Mecanismos Inter-regionais, ministro Kenneth Félix da Nóbrega. Ele negou que os chineses tenham apelado aos demais países para abordarem a guerra comercial na declaração de Johannesburgo.

A posição contrária a medidas protecionistas não é nova no Brics nem em outros grupos, como o G-7 e G-20, por exemplo. Este será, no entanto, o primeiro comunicado conjunto após o início da guerra comercial que travam as duas maiores potências do mundo.

Ainda que não haja outro tipo extra de abordagem do assunto, a avaliação entre os membros do grupo é de que o recado de apoio à continuidade de um mercado livre será suficiente para os demais players mundiais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;