Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Produção volta a crescer em junho e indústria ajusta estoques, diz CNI

Agência Brasil/EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/07/2018 | 11:20


A produção industrial voltou a crescer em junho e o setor reverteu boa parte das perdas registradas em maio em decorrência da paralisação dos caminhoneiros. As informações são da Sondagem Industrial de junho, divulgada nesta terça-feira, 24, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com o estudo, o índice de evolução da produção chegou a 50,8 pontos em junho, superior aos 41,6 pontos registrados em maio e pouco acima da linha divisória dos 50 pontos do estudo que separa a queda do aumento da atividade.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) também subiu em junho e ficou em 66%, três pontos porcentuais acima do dado de maio, voltando ao nível de abril, antes da paralisação.

Outro dado positivo destacado no levantamento é o índice de estoques efetivos em relação ao planejado, que caiu de 53,3 pontos em maio para 50,4 pontos em junho, um indicativo de que a indústria conseguiu ajustar os estoques que se acumularam com a greve dos caminhoneiros.

Mesmo com a recuperação pós-paralisação, o índice de evolução do número de empregados se mantém em baixa, ficando em 48,1 pontos em junho, ainda menor que o de maio, de 48,3 pontos. Os indicadores da pesquisa variam de zero a cem pontos e, quando estão abaixo de 50 pontos, mostram queda na produção e no emprego.

A Sondagem Industrial de junho mostra uma melhora no otimismo do empresário. "As expectativas também melhoraram. Há mais otimismo com relação à demanda futura, compras de matérias-primas e exportações e o empresário não espera queda do emprego industrial nos próximos meses", cita o estudo. Mesmo assim, "a intenção de investir continuou em queda" e "as condições financeiras também pioraram, com aumento da insatisfação com a lucratividade", acrescenta.

O índice de intenção de investimento na indústria caiu para 49,4 pontos. É a quinta queda consecutiva do indicador, que está 4,2 pontos abaixo do registrado em fevereiro. "A baixa disposição para investir reflete a queda da confiança dos empresários no desempenho futuro da economia. Há muitas incertezas sobre as eleições e, principalmente, sobre os impactos da tabela do frete e do subsídio ao diesel nos custos da empresa e nas contas do governo", avalia o gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

Dificuldades

>A Sondagem Industrial lista também os principais problemas enfrentados pelo setor no segundo trimestre deste ano. No topo das reclamações, estão a elevada carga tributária, em primeiro lugar, e a falta de demanda interna, em segundo. Mas os impactos da paralisação dos caminhoneiros também foram sentidos no período, com destaque para a falta ou alto custo de matéria-prima (3º lugar no ranking) e dificuldades de transporte e logística, questão que saiu da 9ª posição para a 4ª. Em quinto lugar na lista dos problemas está a taxa de câmbio. Além disso, as indústrias assinalaram a criação de uma tabela com preços mínimos para o frete rodoviário "como um dos maiores problemas enfrentados no trimestre".

Esta edição da Sondagem Industrial foi feita entre os dias 2 e 12 de julho com 2.159 empresas. Dessas, 900 são pequenas, 770 são médias e 489 são de grande porte.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Produção volta a crescer em junho e indústria ajusta estoques, diz CNI


24/07/2018 | 11:20


A produção industrial voltou a crescer em junho e o setor reverteu boa parte das perdas registradas em maio em decorrência da paralisação dos caminhoneiros. As informações são da Sondagem Industrial de junho, divulgada nesta terça-feira, 24, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com o estudo, o índice de evolução da produção chegou a 50,8 pontos em junho, superior aos 41,6 pontos registrados em maio e pouco acima da linha divisória dos 50 pontos do estudo que separa a queda do aumento da atividade.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) também subiu em junho e ficou em 66%, três pontos porcentuais acima do dado de maio, voltando ao nível de abril, antes da paralisação.

Outro dado positivo destacado no levantamento é o índice de estoques efetivos em relação ao planejado, que caiu de 53,3 pontos em maio para 50,4 pontos em junho, um indicativo de que a indústria conseguiu ajustar os estoques que se acumularam com a greve dos caminhoneiros.

Mesmo com a recuperação pós-paralisação, o índice de evolução do número de empregados se mantém em baixa, ficando em 48,1 pontos em junho, ainda menor que o de maio, de 48,3 pontos. Os indicadores da pesquisa variam de zero a cem pontos e, quando estão abaixo de 50 pontos, mostram queda na produção e no emprego.

A Sondagem Industrial de junho mostra uma melhora no otimismo do empresário. "As expectativas também melhoraram. Há mais otimismo com relação à demanda futura, compras de matérias-primas e exportações e o empresário não espera queda do emprego industrial nos próximos meses", cita o estudo. Mesmo assim, "a intenção de investir continuou em queda" e "as condições financeiras também pioraram, com aumento da insatisfação com a lucratividade", acrescenta.

O índice de intenção de investimento na indústria caiu para 49,4 pontos. É a quinta queda consecutiva do indicador, que está 4,2 pontos abaixo do registrado em fevereiro. "A baixa disposição para investir reflete a queda da confiança dos empresários no desempenho futuro da economia. Há muitas incertezas sobre as eleições e, principalmente, sobre os impactos da tabela do frete e do subsídio ao diesel nos custos da empresa e nas contas do governo", avalia o gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

Dificuldades

>A Sondagem Industrial lista também os principais problemas enfrentados pelo setor no segundo trimestre deste ano. No topo das reclamações, estão a elevada carga tributária, em primeiro lugar, e a falta de demanda interna, em segundo. Mas os impactos da paralisação dos caminhoneiros também foram sentidos no período, com destaque para a falta ou alto custo de matéria-prima (3º lugar no ranking) e dificuldades de transporte e logística, questão que saiu da 9ª posição para a 4ª. Em quinto lugar na lista dos problemas está a taxa de câmbio. Além disso, as indústrias assinalaram a criação de uma tabela com preços mínimos para o frete rodoviário "como um dos maiores problemas enfrentados no trimestre".

Esta edição da Sondagem Industrial foi feita entre os dias 2 e 12 de julho com 2.159 empresas. Dessas, 900 são pequenas, 770 são médias e 489 são de grande porte.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;