Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Circular pela Avenida
Lions exige paciência

Prefeitura de São Bernardo fechou no último sábado o
cruzamento com a Avenida Senador Vergueiro para obra


Elaine Granconato
Do Diário do Grande ABC

08/01/2012 | 07:00


A partir de agora, circular pela já congestionada Avenida Lions, em São Bernardo, exigirá boa dose de paciência não só de motoristas e pedestres, mas também de comerciantes e moradores locais. Desde as 10h de ontem, a Prefeitura fechou o cruzamento com a Avenida Senador Vergueiro, uma das mais movimentadas da cidade, para dar continuidade à obra de rebaixamento das duas pistas centrais que dão acesso a Santo André, São Caetano, Diadema e São Paulo.

A previsão é que a passagem seja liberada apenas no fim de março, com a conclusão do megaprojeto viário para desafogar o trânsito na região. As obras de rebaixamento da Lions estão 65% finalizadas - o início foi em junho de 2009. O investimento é de cerca de R$ 25 milhões, com financiamento integral do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Paralelamente à interdição do cruzamento entre as duas vias de tráfego diário intenso, o projeto prevê a execução de dois viadutos, do total de três, para desafogar o histórico trânsito local. O da Rua Brasil, via paralela à Avenida Vergueiro, está com a construção adiantada. A previsão de entrega é na segunda quinzena de fevereiro. "O que novamente mudará a configuração do trânsito", adiantou o secretário adjunto de Transportes e Vias Públicas de São Bernardo em exercício, Alberto Alécio Batista, que ontem avaliava in loco, junto de técnicos de apoio, a intervenção de desvio de trânsito adotada pela administração municipal.

Mesmo por ser sábado, um fim de semana, Alécio afirmou ser um dia de movimento intenso de veículos. "As pessoas saem de casa para compras e outros compromissos, que não o trabalho". Por dia, circulam cerca de 40 mil carros na Lions.

Rotas alternativas são indicadas aos motoristas. Entre elas, a recém-abertura do Viaduto Vivaldi, que permite a travessia de veículos e pedestres no sentido Centro-bairro. Para quem circula na rota inversa, a recomendação na Operação Desvio é seguir pela Rua 24 de Maio, onde um cruzamento provisório foi feito com a Avenida Lions, sentido Santo André.

Mas não foi só o motoristaque estranhou ontem o bloqueio no cruzamento da Senador Vergueiro com a Lions. Também pedestres que circulavam pelo local. "Não sabia que seria fechado hoje (ontem). Estou confusa, e não sei onde pego o ônibus agora", disse a aposentada Sônia Ruiz, 62 anos, que aguardava o semáforo abrir para atravessar exatamente no ponto interditado. Ela mora a poucos metros dali.

O secretário informou que 15 mil panfletos foram distribuídos no entorno sobre a obra, além da divulgação na mídia.

Além dos pedestres, os comerciantes do entorno reclamavam da queda entre 20% e 30% nos negócios, desde o início da obra. "É necessária, mas afetou. Vamos ver se a gente resiste", avaliou Sérgio Lucio Lazari, dono de self service há dez anos na Avenida Vergueiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Circular pela Avenida
Lions exige paciência

Prefeitura de São Bernardo fechou no último sábado o
cruzamento com a Avenida Senador Vergueiro para obra

Elaine Granconato
Do Diário do Grande ABC

08/01/2012 | 07:00


A partir de agora, circular pela já congestionada Avenida Lions, em São Bernardo, exigirá boa dose de paciência não só de motoristas e pedestres, mas também de comerciantes e moradores locais. Desde as 10h de ontem, a Prefeitura fechou o cruzamento com a Avenida Senador Vergueiro, uma das mais movimentadas da cidade, para dar continuidade à obra de rebaixamento das duas pistas centrais que dão acesso a Santo André, São Caetano, Diadema e São Paulo.

A previsão é que a passagem seja liberada apenas no fim de março, com a conclusão do megaprojeto viário para desafogar o trânsito na região. As obras de rebaixamento da Lions estão 65% finalizadas - o início foi em junho de 2009. O investimento é de cerca de R$ 25 milhões, com financiamento integral do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Paralelamente à interdição do cruzamento entre as duas vias de tráfego diário intenso, o projeto prevê a execução de dois viadutos, do total de três, para desafogar o histórico trânsito local. O da Rua Brasil, via paralela à Avenida Vergueiro, está com a construção adiantada. A previsão de entrega é na segunda quinzena de fevereiro. "O que novamente mudará a configuração do trânsito", adiantou o secretário adjunto de Transportes e Vias Públicas de São Bernardo em exercício, Alberto Alécio Batista, que ontem avaliava in loco, junto de técnicos de apoio, a intervenção de desvio de trânsito adotada pela administração municipal.

Mesmo por ser sábado, um fim de semana, Alécio afirmou ser um dia de movimento intenso de veículos. "As pessoas saem de casa para compras e outros compromissos, que não o trabalho". Por dia, circulam cerca de 40 mil carros na Lions.

Rotas alternativas são indicadas aos motoristas. Entre elas, a recém-abertura do Viaduto Vivaldi, que permite a travessia de veículos e pedestres no sentido Centro-bairro. Para quem circula na rota inversa, a recomendação na Operação Desvio é seguir pela Rua 24 de Maio, onde um cruzamento provisório foi feito com a Avenida Lions, sentido Santo André.

Mas não foi só o motoristaque estranhou ontem o bloqueio no cruzamento da Senador Vergueiro com a Lions. Também pedestres que circulavam pelo local. "Não sabia que seria fechado hoje (ontem). Estou confusa, e não sei onde pego o ônibus agora", disse a aposentada Sônia Ruiz, 62 anos, que aguardava o semáforo abrir para atravessar exatamente no ponto interditado. Ela mora a poucos metros dali.

O secretário informou que 15 mil panfletos foram distribuídos no entorno sobre a obra, além da divulgação na mídia.

Além dos pedestres, os comerciantes do entorno reclamavam da queda entre 20% e 30% nos negócios, desde o início da obra. "É necessária, mas afetou. Vamos ver se a gente resiste", avaliou Sérgio Lucio Lazari, dono de self service há dez anos na Avenida Vergueiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;