Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Família do presidente do Haiti foge do país


Do Diário OnLine
Com AFP

14/02/2004 | 10:58


A família do presidente do Haiti, Jean Bertrand Aristide, abandonou o país, que vive sob a ameaça de um golpe armado por parte dos rebeldes que se opõem ao governo. A primeira-dama, Mildred Trouillot, as duas filhas mais novas do casal e a mãe de Mildret viajaram para Fort Lauderlade, na Flórida (EUA). Não há uma explicação oficial sobre a viagem.

Horas antes de a família de Aristide escapar do Haiti, Luigi Leroy, sobrinho de Mildret, foi seqüestrado no país. O garoto, de 14 anos, é neto da ex-ministra Matilde Flambert, que cuidou da pasta de Assuntos Sociais nos anos 90.

Não há confirmação se o crime tem motivação política. Os seqüestradores exigiram UUS$ 600 mil para libertar o garoto.

Tensão - Os distúrbios ocorridos nas última semanas no Haiti já provocaram pelo menos 50 vítimas.

A oposição, que culpa Aristide pela crise econômica e social vivida no país, exige sua renúncia do poder. Muitos dos rebeldes que hoje lutam contra o Exército pela deposição do presidente afirmam que estão usando as armas cedidas pelo próprio Aristide, quando havia aliança com o governo.

Na sexta-feira à noite, o primeiro-ministro do Haiti, Yvon Neptune, concedeu entrevista coletiva para negar as afirmações dos rebeldes. Ele afirmou que os distúrbios recentes são obra de "pessoas incentivadas por traficantes de armas e de drogas que querem controlar o país"

"Isto é uma mentira. Esses bandos armados não têm nada a ver com o presidente Jean Bertrand Aristide, e sim com o tráfico de drogas e o tráfico de armas", defendeu. "Eles têm armas que nem a polícia ou a própria segurança do presidente têm."

Neptune garantiu que o governo "tem o controle do país, no momento". Mas ele reconheceu que a polícia teve de bater em retirada na cidade de Gonaives, controlada por rebeldes, para evitar um "banho de sangue entre a população".

"Defendemos a estabilidade, mas há certas associações políticas que querem derrubar o governo constitucional", discursou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Família do presidente do Haiti foge do país

Do Diário OnLine
Com AFP

14/02/2004 | 10:58


A família do presidente do Haiti, Jean Bertrand Aristide, abandonou o país, que vive sob a ameaça de um golpe armado por parte dos rebeldes que se opõem ao governo. A primeira-dama, Mildred Trouillot, as duas filhas mais novas do casal e a mãe de Mildret viajaram para Fort Lauderlade, na Flórida (EUA). Não há uma explicação oficial sobre a viagem.

Horas antes de a família de Aristide escapar do Haiti, Luigi Leroy, sobrinho de Mildret, foi seqüestrado no país. O garoto, de 14 anos, é neto da ex-ministra Matilde Flambert, que cuidou da pasta de Assuntos Sociais nos anos 90.

Não há confirmação se o crime tem motivação política. Os seqüestradores exigiram UUS$ 600 mil para libertar o garoto.

Tensão - Os distúrbios ocorridos nas última semanas no Haiti já provocaram pelo menos 50 vítimas.

A oposição, que culpa Aristide pela crise econômica e social vivida no país, exige sua renúncia do poder. Muitos dos rebeldes que hoje lutam contra o Exército pela deposição do presidente afirmam que estão usando as armas cedidas pelo próprio Aristide, quando havia aliança com o governo.

Na sexta-feira à noite, o primeiro-ministro do Haiti, Yvon Neptune, concedeu entrevista coletiva para negar as afirmações dos rebeldes. Ele afirmou que os distúrbios recentes são obra de "pessoas incentivadas por traficantes de armas e de drogas que querem controlar o país"

"Isto é uma mentira. Esses bandos armados não têm nada a ver com o presidente Jean Bertrand Aristide, e sim com o tráfico de drogas e o tráfico de armas", defendeu. "Eles têm armas que nem a polícia ou a própria segurança do presidente têm."

Neptune garantiu que o governo "tem o controle do país, no momento". Mas ele reconheceu que a polícia teve de bater em retirada na cidade de Gonaives, controlada por rebeldes, para evitar um "banho de sangue entre a população".

"Defendemos a estabilidade, mas há certas associações políticas que querem derrubar o governo constitucional", discursou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;