Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cortar as gordurinhas


Fred Furtado
Ciência Hoje/RJ

03/05/2010 | 07:00


A transmissão de dados via redes digitais já faz parte do cotidiano, mas um trabalho recente de pesquisadores brasileiros pode aumentar ainda mais sua eficiência. Eles conseguiram modelar em computador uma tecnologia que aumentaria a capacidade de transmissão de informação do sistema de Multiplexação por Divisão de Frequência Ortogonal (OFDM, na sigla em inglês), usado, entre outras aplicações, nos padrões de TV digital.

A solução reduz a quantidade de dados redundantes na transmissão, abrindo espaço para mais conteúdo. O trabalho, desenvolvido no laboratório de processamento de sinais do Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia), recebeu no ano passado o Texas Instruments Student Paper Award na Conferência Europeia de Processamento de Sinais, realizada em Glasgow (Escócia), um dos principais eventos da área.

Segundo Martins, a OFDM apresenta várias vantagens sobre outros sistemas, mas, para que possa funcionar, ela necessita enviar certas informações na transmissão, chamadas de redundância, o que acaba ocupando espaço que poderia ser usado para conteúdo, como um vídeo.

Redução significativa - De acordo com o engenheiro, há vários fatores envolvidos e, portanto, uma estimativa final da melhoria na transmissão não pode ser específica, dependendo do cenário testado. Mas Martins afirma que o melhor resultado obtido foi de 30%, passando de uma taxa de transferência de 210 kbps (kilobits por segundo) para 330 kbps. Segundo ele, seu modelo não está aumentando a banda em si, apenas reduzindo dados supérfluos.

Martins destaca que a redução pode não parecer grande, mas, para operadoras de telefonia celular, por exemplo, que trabalham com grandes volumes de informação, ela é significativa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cortar as gordurinhas

Fred Furtado
Ciência Hoje/RJ

03/05/2010 | 07:00


A transmissão de dados via redes digitais já faz parte do cotidiano, mas um trabalho recente de pesquisadores brasileiros pode aumentar ainda mais sua eficiência. Eles conseguiram modelar em computador uma tecnologia que aumentaria a capacidade de transmissão de informação do sistema de Multiplexação por Divisão de Frequência Ortogonal (OFDM, na sigla em inglês), usado, entre outras aplicações, nos padrões de TV digital.

A solução reduz a quantidade de dados redundantes na transmissão, abrindo espaço para mais conteúdo. O trabalho, desenvolvido no laboratório de processamento de sinais do Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia), recebeu no ano passado o Texas Instruments Student Paper Award na Conferência Europeia de Processamento de Sinais, realizada em Glasgow (Escócia), um dos principais eventos da área.

Segundo Martins, a OFDM apresenta várias vantagens sobre outros sistemas, mas, para que possa funcionar, ela necessita enviar certas informações na transmissão, chamadas de redundância, o que acaba ocupando espaço que poderia ser usado para conteúdo, como um vídeo.

Redução significativa - De acordo com o engenheiro, há vários fatores envolvidos e, portanto, uma estimativa final da melhoria na transmissão não pode ser específica, dependendo do cenário testado. Mas Martins afirma que o melhor resultado obtido foi de 30%, passando de uma taxa de transferência de 210 kbps (kilobits por segundo) para 330 kbps. Segundo ele, seu modelo não está aumentando a banda em si, apenas reduzindo dados supérfluos.

Martins destaca que a redução pode não parecer grande, mas, para operadoras de telefonia celular, por exemplo, que trabalham com grandes volumes de informação, ela é significativa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;