Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Centrais sindicais listam setores mais prejudicados

Objetivo é conseguir ampliação do seguro-desemprego para driblar as consequências da crise financeira


Michele Loureiro
Do Diário do Grande ABC

23/04/2009 | 07:00


As centrais sindicais tem até o dia 15 de maio para listar os setores mais prejudicados e com o maior número de demissões em decorrência da crise econômica mundial. O objetivo do relatório é conseguir a ampliação do seguro-desemprego para esta parcela de trabalhadores.

"Os setores mais prejudicados, que necessitam de atenção do governo, são a construção civil, metalúrgico, frigorífico e o setor de call center", avaliou o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

De acordo com o sindicalista, o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, prometeu que os setores lesados terão o benefício ampliado. "O ministro afirmou que é inviável ampliar o seguro-desemprego de todos os trabalhadores, mas com certeza os trabalhadores mais prejudicados terão acesso", enfatizou Paulinho.

Pela legislação atual, o seguro-desemprego é pago de três a cinco parcelas, dependendo do tempo de trabalho registrado em carteira. Desde o final de março, no entanto, já está valendo a ampliação em mais duas parcelas do seguro-desemprego para alguns setores, entre eles, o metalúrgico.

O grupo de sindicalistas que se reuniu, em Brasília, com o ministro pediu a ampliação para 12 o número de parcelas e argumentou que, segundo estudos do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), em média, as pessoas demoram 36 semanas para conseguir uma nova recolocação no mercado de trabalho.

De acordo com o presidente da Força Sindical, o ministro pediu que o estudo seja entregue até o dia 15, pois é a data em que haverá a reunião do Codefat (Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador).

Para o presidente da CNM (Confederação Nacional dos Metalúrgicos), Carlos Alberto Grana, a medida não é prioridade. "Particularmente acredito que o governo deve apostar na ampliação de crédito e na desoneração tributária como forma de recuperar a economia", declarou o ex-integrante do Codefat, que completou, "o incentivo às exportações também é uma medida que deve ser retomada o quanto antes. Ampliar o número de parcelas do seguro-desemprego não resolve o problema".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;