Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

O som do silêncio

Nada faz mais barulho, nos meios políticos brasileiros, do que o silêncio de José Serra. Seu partido, o PSDB,


Carlos Brickmann

04/05/2011 | 00:00


Nada faz mais barulho, nos meios políticos brasileiros, do que o silêncio de José Serra. Seu partido, o PSDB, está para eleger presidente um adversário seu, o deputado Sérgio Guerra (que aliás, nessas coisas típicas de um partido de amigos que se detestam, coordenou sua campanha à Presidência). Um de seus aliados mais próximos, o prefeito paulistano Gilberto Kassab, está demolindo o DEM, partido que está na base do serrismo; bebendo o PSDB de canudinho em seu principal reduto, São Paulo; sendo cortejado pelo seu maior concorrente entre os tucanos, o senador Aécio Neves, recebendo afagos de legendas que apóiam Dilma, a quem Serra recomendou dura oposição.

Não é que Serra esteja mudo: ele até que está falando, mas sobre futebol - assunto de que entende tanto quanto seu companheiro de partido Fernando Henrique, aquele que recebeu a Seleção campeã do mundo no Palácio, com Vampeta dando cambalhotas na rampa, e não sabia que tinha sido campeã do mundo.

Qual o motivo do ruidoso silêncio de Serra? Quando começou a temporada presidencial, Serra se recusou a dizer se seria ou não candidato. Imaginou-se que, sabiamente, estaria se preservando e deixando os adversários confusos, sem informação. Não era bem isso: é que não sabia mesmo se deveria ou não deixar o Governo paulista para disputar a Presidência.

Dizem que o silêncio é de ouro; é, sem comprometer-se, observar a situação até que chegue a hora de agir. Mas também pode ser apenas falta do que dizer.

O dono da casa

E o governador paulista Alckmin, qual sua posição no vira-vira partidário? Ele também está em silêncio - e provavelmente pelo mesmo motivo de Serra. 

Os donos da Lei

"O nosso Delúbio", como o chamava o presidente Lula, está de volta. Mas sob observação: "Se ele mantiver uma postura adequada não tem nenhum problema. Se ele voltar a errar, o partido, da mesma forma que o recebeu de volta, vai ter de puni-lo de novo". O alerta é do secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho. Mas é estranho: se não houve Mensalão, conforme Lula assegura, qual foi o erro cometido por Delúbio Soares, que o levou a ser expulso do PT? E como decretar sua inocência, se o processo do Mensalão ainda não foi julgado?

Branco como neve

O ex-chanceler Celso Amorim, segundo a colunista Pomona Politis, conhecedora de tudo o que acontece no Itamaraty, pretende escrever um livro de memórias, com algo como 1.500 páginas. O ex-chanceler poderia ser menos prolixo: livros do mesmo tipo, como "Delícias da Cozinha Inglesa" e "Quem é Quem no Azerbaijão", são geralmente mais sucintos.

Pura maldade

Do palestrante Luciano Pires: "Que estranho. Já se passaram 36 horas e o Eduardo Suplicy ainda não leu um manifesto contra o assassinato do Bin Laden?"

Sabor Brasil

O paquistanês Qaiser Iqbal Awan, funcionário da Embaixada do Brasil no Paquistão, acordou com o barulho de helicópteros sobrevoando sua casa em Abbottabad. Saiu à rua, viu dois imensos helicópteros, voltou para casa e mandou que a família se protegesse. Pouco depois, ouviu o tiroteio. Transmitiu tudo pelo twitter. E só de manhã soube que Bin Laden tinha sido morto.

Eis o funcionário ideal da diplomacia brasileira: estava ao lado dos acontecimentos, atento, divulgou os fatos pelo twitter e não sabia do que se tratava.

A festa do arroz

Não, caro leitor, não se sinta diminuído: afinal de contas, você também participou do Turismo da Alegria gaúcho, com a incumbência de pagar a conta. Lá, quatro deputados estaduais, dois assessores Canto dobrado: 1do PT e o presidente do Instituto Riograndense do Arroz viajaram ao Vietnã, sabe-se lá por que motivo (talvez porque o país produza arroz, embora bem menos que o Brasil). Claro que não foi uma viagem direta: os sete foram primeiro a Paris, que ninguém é de ferro. Só de diárias, foram gastos R$ 43.959,48, conforme apurou o jornalista gaúcho Políbio Braga (depois, ele não sabe por que as esquerdas de lá o detestam). Houve ainda as passagens, claro; e os dois assessores do PT também receberam passagens pagas por dinheiro público, um da Assembléia, outro do Governo Tarso Genro. O nome do governador é Genro, mas para os cumpanhêro é pai e mãe.

A falta que ele nos faz

José Renato Pécora. No teatro, o grande Zé Renato. Foi pioneiro do Teatro de Arena, que revolucionou o teatro brasileiro; foi grande como ator e como diretor. Aos 85 anos, continuava trabalhando, na peça Doze Homens e uma Sentença. No fim da noite de 1º de maio, jantou com amigos num tradicional restaurante de gente de teatro, o Planetas, encostado na praça Roosevelt, em São Paulo. Depois, foi para a Rodoviária, onde embarcaria para o Rio. Lá se sentiu mal e morreu.

Este colunista era menino e tentava penetrar (às vezes com êxito) no Arena. Nem sempre entendia o que via, mas assistir a peças brasileiras, falando de Brasil, sempre valia a pena. Zé Renato, que falta você faz!



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;