Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Sertanejo sempre foi pop?

A mistura com outros ritmos, coreografias diferentes e
pegada mais alegre fizeram estilo cair no gosto da povo


Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

08/07/2012 | 07:00


Divulgação

Eu quero tchu/ Eu quero tcha/ Eu quero tchu tcha tcha tchu tchu tcha. O refrão até parece axé, mas não é. A música da dupla João Lucas e Marcelo é exemplo da nova cara do sertanejo, que tem pegada de balada com letras alegres e simples. Mais do que violão, mistura outros instrumentos e ritmos, como pop, axé, arrocha e tecnobrega.

Para André Piunti, autor do livro Música Sertaneja: Uma Paixão Brasileira e criador do blog Universo Sertanejo, essa mistura faz parte da história da música. "Os artistas inserem novidades para agradar o jovem", diz. Segundo ele, as mudanças têm acontecido desde a criação do termo sertanejo universitário, entre 2006 e 2007. "Na década de 1990, falava-se muito mais sobre sofrer de amor. Agora busca-se criar algo mais agitado."

Um dos grandes precursores do sertanejo moderno é Luan Santana. Ele mostrou que não precisa ser dupla para fazer sucesso, surgiu com visual despojado e cantou música do cotidiano jovem. Com a mesma sacada, Michel Teló inovou com letras sobre baladas e coreografias.

Para Waldenyr Caldas, professor de Cultura Brasileira da Escola de Comunicação e Arte da USP, este é o momento do sertanejo, mas alerta: "Todo estilo tem sua fase e é preciso inovar para não cansar. Só que, geralmente, o que se vê é repetição", ressalta, por isso, acredita que o que está acontecendo pode ser só mais uma moda.

Divulgação

RECEITA DO SUCESSO

Letras simples inspiradas no dia a dia e melodia alegre. Em geral, essas ‘muletas' são alvos da crítica. Mas, para Marcelo, 27 anos, da dupla João Lucas e Marcelo, esse é o segredo. "O povo escolhe o que mais se identifica", diz.

O cantor Arthur Danni,16, defende que o sucesso depende do conjunto. "Não adianta letra boa, se o arranjo não é legal." Gusttavo Lima, 22, acredita que o sertanejo sempre teve espaço. "Se a galera gosta, quem vai contestar?" Paula Fernandes, 27, crê que o ritmo é um dos gêneros mais populares do Brasil. "As novas gerações só enriqueceram a música. O importante é não perder a essência."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;