Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Medidas do BC retraem venda de carros


Leone Farias
Diário do Grande ABC

04/05/2011 | 07:02


As medidas do Banco Central para conter o consumo e refrear a inflação começam a gerar impacto nas vendas de veículos zero-quilômetro. Em abril, foram comercializadas 289.213 unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus no País, 5,54% menos que em março, de acordo com dados divulgados ontem pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Se for considerada a média diária, o desempenho é favorável (4% maior), já que abril teve dois dias úteis a menos (19 contra 21 em março). Apesar disso, o presidente da Fenabrave, Sérgio Reze Filho, avalia que há tendência de queda no ritmo das vendas.

Ele considera que o fato de o BC ter exigido mais garantias dos bancos para o financiamento de longo prazo, somada à decisão de aumentar o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 1,5% para 3%, desde abril, - além das altas dos juros básicos - "começam a gerar contenção da demanda".

O impacto se dá sobretudo nas vendas de veículos populares, observa o presidente do Sincodiv-SP (Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos no Estado de São Paulo), Octávio Vallejo. "Os juros subiram e uma parcela dos que compravam sem entrada ficou de fora (sem conseguir efetivar a compra)", atesta Hermes Schincariol Filho, diretor de rede de concessionárias com sede em Santo André.

De janeiro a abril, o setor comercializou 1,114 milhão de unidades, 4,56% mais que no mesmo período do ano passado. É a melhor marca da história do segmento para o primeiro quadrimestre. Entretanto, por causa das medidas do BC, a Fenabrave deve rever para baixo sua projeção de crescimento de 4,2% nas vendas (de automóveis e comerciais leves) para o ano em relação a 2010. Porém, a entidade vai aguardar mais este mês para fazer novas estimativas.

 

INFLAÇÃO - Reze afirma que é preferível o setor crescer menos, com medidas administradas pelo BC, do que o governo ter de tomar medidas drásticas para conter o consumo. No entanto, ele ressalta que o segmento não contribui para a disparada da inflação. Pelo contrário, "os preços (dos carros) se não são iguais são até menores que os do ano passado".

 

ESTOQUE REGULADOR - A alta de preços do álcool, neste ano, decorre da omissão do governo federal, que não criou estoques reguladores desse produto para suprir a demanda em período de entressafra, somada à ganância dos usineiros, afirma o presidente da Fenabrave, Sérgio Reze.

Para o dirigente, enquanto os preços dos carros estão estáveis e, em alguns casos, até se retraíram e não pressionam a inflação, o mesmo não acontece com o custo do combustível.

Reze acrescenta que só agora o governo federal "acordou" para a questão, ao transferir a responsabilidade do estoque regulador para a ANP (Agência Nacional de Petróleo). "Desde 1979, (quando foi lançado o Proálcool), nunca foi criada regra para que não tivéssemos solavancos na demanda do álcool", afirma.

Segundo o presidente da Fenabrave, era previsível que, em momento de falta de açúcar no mercado internacional, o setor sucroalcooleiro passasse a concentrar a produção desse item, gerando com isso, desabastecimento do etanol.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;