Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria ameaça aumentar preços da linha branca

Tiago Silva/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alexandre Melo
Do Diário do Grande ABC

04/05/2011 | 07:19


 

O avanço no preço de matérias-primas como o aço e o plástico está pressionando o custo de fabricação de produtos da linha branca (refrigerador, lavadora de roupa, micro-ondas). Diante deste cenário, a indústria planeja elevar os valores entre 5% e 15%, segundo varejistas ouvidos pela equipe do Diário.

Entretanto, o reajuste deverá ocorrer a partir do segundo semestre, pois o estoque para o Dia das Mães foi negociado com antecedência pelas redes. "Existe pressão para aumentar os preços, mas estamos firmes nas negociações", diz o gerente de compras de eletro da Coop (Cooperativa de Consumo), Edson Rodrigues.

O assessor econômico da Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), Fábio Pina, pontua que os preços das commodities aço e plástico realmente ficaram mais caros ao longo dos últimos anos.

"Às vezes ocorre alta excessiva dos custos de produção. Outro fator é que o mercado interno acaba absorvendo um pouco da inflação das commodities no Exterior, pois o câmbio não está apreciado como deveria", afirma o economista.

Pina acrescenta que também faz parte do negócio a indústria testar o varejo para verificar se o canal aceitaria eventual aumento nos preços. Segundo o diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) em São Caetano, Willian Pesinato, o aço inoxidável subiu em média 12% neste ano.

"O repasse do preço está sendo feito aos poucos para não causar forte impacto no valor dos produtos", detalha Pesinato. Sobre o plástico, não houve alta significativa neste ano, mas o estoque do produto está menor.

VAREJO

O gerente de produto do Walmart, Rafael Gazza, ressalta que "os preços permanecem estáveis para o Dia das Mães, mas os fabricantes querem repassar os custos, encarecendo os produtos entre 5% e 10%."

No Extra, o gerente comercial de linha branca e eletroportáteis, Alexandre Lopes, confirma que refrigeradores, microondas e lavadoras de roupas vão encarecer no próximo semestre. "Os fornecedores querem entre 5% e 15%, mas tentaremos que a alta não seja superior a 5%."

Lopes emenda que este cenário de elevação não atingirá os eletroportáteis como espremedores de fruta, grills e ferro, pois são importados. E a cotação baixa do dólar beneficia o preço deles. O mesmo acontece com liquidificadores e batedeiras.

O gerenciador da Coop afirma que as negociações ainda não começaram, mas foi sinalizada intenção da indústria de reajuste entre 5% e 10%. A expectativa é que fogão e refrigerador tenham percentuais menores, pois são os que têm maior volume de vendas na linha branca.

Procurada para comentar o assunto, a Eletros (Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos) não quis se pronunciar. O mesmo aconteceu com a Whirlpool (dona das marcas Brastemp e Consul) e LG Eletronics. A Mabe (detentora da GE, Continental e Dako) limitou-se a informar que ainda não há previsão de aumento nos preços.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;