Fechar
Publicidade

Sábado, 21 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Noivo teve intenção de matar aposentada, diz MP


Henrique Munhos
Especial para o Diário

04/05/2011 | 07:04


O vendedor Luiz Fernando Cerqueira, 29 anos, acusado de atropelar e matar a aposentada Rosa Maria Leite, 56, após festa de casamento em Santo André, segue preso e responderá por homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Somada a acusação por lesão corporal, o vendedor, se condenado pela Justiça, deverá passar cerca de 18 anos na cadeia, segundo o promotor que cuida do caso, Antonio Nobre Folgado. "Como trata-se de réu primário, deverá pegar de 14 a 16 anos pelo crime de homicídio e mais um ou dois anos por lesão corporal", sustentou.

O crime aconteceu na madrugada de 17 de abril. A aposentada saía do casamento da sobrinha, realizado no Buffet Parmenion, que fica na Avenida Dom Pedro II, em Santo André, acompanhada do filho, Leonardo Valentino Alves, 28, e o marido, Nilson Valentino Alves, 56.

Leonardo sentiu falta de R$ 8 que estava no veículo e foi reclamar com o estacionamento do bufê. Luiz Fernando, que era noivo de outra festa realizada ao lado, estava deixando o local e interveio na reclamação.

O vendedor, acompanhado de outros amigos, passou a agredir o rapaz, segundo testemunhas contaram à polícia. Os pais de Leonardo saíram do carro e foram ajudar o filho, mas também foram espancados. Luiz Fernando, então, entrou no veículo de Leonardo, deu ré e atropelou Rosa. Depois, desceu do carro e chutou a aposentada.

Para o promotor, o modo como o acusado agiu reforça a tese de que o noivo queria fazer mal à aposentada. Tanto Luiz Fernando quanto o cunhado, Anderson do Prado, tentaram mudar o depoimento e transferir a responsabilidade do atropelamento para Prado.

Por este motivo, o promotor também acusou o cunhado de praticar falso testemunho e lesão corporal, já que era um dos rapazes que espancaram a família. Os outros homens não foram identificados.

A dona de casa Daniela Florentino Alves, 32, filha de Rosa, afirmou que ainda teme a impunidade. "Sabemos como é a Justiça no nosso País. Por isso, temos muito medo que este assassino fique solto daqui a algum tempo, quando este caso for esquecido."

Antonio Nobre Folgado explicou que, dentro de dois meses, as testemunhas e os réus serão ouvidos em audiência. Porém, ainda não há prazo para finalização do julgamento.

A família de Luiz Fernando Cerqueira foi procurada, mas não atendeu os telefonemas da equipe do Diário.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;