Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

A devota filha de Galileu Galilei


Alessandro Soares
Da Redaçao

16/09/2000 | 14:57


A correspondência de Virginia Galilei (1600-1634), ou sóror (freira) Maria Celeste, para seu pai Galileu Galilei (1564-1642), inventor do telescópio e da ciência experimental moderna, sao o mote de A Filha de Galileu (Companhia das Letras, 385 págs., R$ 31,50), da escritora Dava Sobel. Esta curiosa uniao entre ciência e fé aparece no livro mais do que teorias astronômicas.

A autora descreve as impressoes desta relaçao pai e filha, apoiadas ainda nas cartas de Galileu, natural de Pisa, na Itália, para amigos e colegas. Sua filha vivia desde os 16 anos na clausura do convento das clarissas de San Matteo, regiao da Toscana. Por Maria, sabemos que Galileu adorava os doces de cidra que fazia. Que as roupas que ele usava e que aparecem nas pinturas que o retratam foram feitas por ela, incluindo o avental de couro, usado em casa para cuidar de sua horta e vinhas. Descobrimos até sua predileçao pelas laranjas, fruta que ele adorava.

O drama das seguidas doenças de Galileu, suas descobertas com o telescópio (manchas solares, satélites de Júpiter), as críticas que recebia, a peste bubônica de 1630, e a condenaçao do pai em 1633 sao narrados pela filha em 124 cartas resgatadas. Infelizmente, as cartas de Galileu ficaram perdidas (supostamente queimadas pela abadessa do convento).

Maria Celeste acompanha com temor o famoso embate entre ciência e religiao, que condenou Galileu a abjurar de sua afirmaçao de que a Terra gira em torno do Sol imóvel, contrariando a Bíblia, em 22 de junho de 1633, em Roma, no Tribunal do Santo Ofício. Essa teoria, o heliocentrismo, publicada por Nicolau Copérnico (1473-1543) no ano de sua morte, foi reforçada com as descobertas de Galileu e descritas metaforicamente em seu livro Diálogos sobre os Dois Principais Sistemas do Mundo: o Ptolemaico e o Copernicano, causa de sua condenaçao. Galileu teria dito, em voz baixa, após ler sua abjuraçao "Epuur si muove" (E, no entanto, se move). Nada existe a favor nem contra esta afirmaçao. Galileu teve ainda de fazer silêncio sobre suas teorias, viver até a morte em prisao domiciliar em Ascerti, Toscana, e recitar salmos penitenciais toda semana.

Maria Celeste (ela adotou esse nome quando fez votos, reconhecendo o fascínio do pai em olhar para o céu, e nao para o Céu) vivia uma situaçao difícil sendo noiva de Cristo e tendo como pai um potencial inimigo da Igreja Católica desde Martinho Lutero (1483-1546). Mas aprovava o empenho do pai. Outra filha de Galileu, Lívia, também vivia no mesmo convento como sóror Arcângela; seu filho Vicenzio formou-se em Direito em Pisa. Mas somente com Maria Celeste ele manteve uma correspondência regular. Ela morreu de desidrataçao.

Galileu continou católico. Em carta à Gra-Duquesa Cristina de Lorena, uma de suas críticas, argumentou: "Descobri nos céus várias coisas que nao haviam sido vistas antes de nosso tempo. A novidade desses achados, assim como as conseqüências que deles decorriam em contradiçao com as noçoes físicas comumente defendidas pelos filósofos acadêmicos, acirrou contra mim um número nao pequeno de professores - como se eu tivesse posto essas coisas no céu com minhas próprias maos com a finalidade de conturbar a Natureza e subverter as ciências". Galileu experimentava o mesmo drama de Cristóvao Colombo (1451-1506): provocar uma grande mudança de paradigma que abala o establishment.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A devota filha de Galileu Galilei

Alessandro Soares
Da Redaçao

16/09/2000 | 14:57


A correspondência de Virginia Galilei (1600-1634), ou sóror (freira) Maria Celeste, para seu pai Galileu Galilei (1564-1642), inventor do telescópio e da ciência experimental moderna, sao o mote de A Filha de Galileu (Companhia das Letras, 385 págs., R$ 31,50), da escritora Dava Sobel. Esta curiosa uniao entre ciência e fé aparece no livro mais do que teorias astronômicas.

A autora descreve as impressoes desta relaçao pai e filha, apoiadas ainda nas cartas de Galileu, natural de Pisa, na Itália, para amigos e colegas. Sua filha vivia desde os 16 anos na clausura do convento das clarissas de San Matteo, regiao da Toscana. Por Maria, sabemos que Galileu adorava os doces de cidra que fazia. Que as roupas que ele usava e que aparecem nas pinturas que o retratam foram feitas por ela, incluindo o avental de couro, usado em casa para cuidar de sua horta e vinhas. Descobrimos até sua predileçao pelas laranjas, fruta que ele adorava.

O drama das seguidas doenças de Galileu, suas descobertas com o telescópio (manchas solares, satélites de Júpiter), as críticas que recebia, a peste bubônica de 1630, e a condenaçao do pai em 1633 sao narrados pela filha em 124 cartas resgatadas. Infelizmente, as cartas de Galileu ficaram perdidas (supostamente queimadas pela abadessa do convento).

Maria Celeste acompanha com temor o famoso embate entre ciência e religiao, que condenou Galileu a abjurar de sua afirmaçao de que a Terra gira em torno do Sol imóvel, contrariando a Bíblia, em 22 de junho de 1633, em Roma, no Tribunal do Santo Ofício. Essa teoria, o heliocentrismo, publicada por Nicolau Copérnico (1473-1543) no ano de sua morte, foi reforçada com as descobertas de Galileu e descritas metaforicamente em seu livro Diálogos sobre os Dois Principais Sistemas do Mundo: o Ptolemaico e o Copernicano, causa de sua condenaçao. Galileu teria dito, em voz baixa, após ler sua abjuraçao "Epuur si muove" (E, no entanto, se move). Nada existe a favor nem contra esta afirmaçao. Galileu teve ainda de fazer silêncio sobre suas teorias, viver até a morte em prisao domiciliar em Ascerti, Toscana, e recitar salmos penitenciais toda semana.

Maria Celeste (ela adotou esse nome quando fez votos, reconhecendo o fascínio do pai em olhar para o céu, e nao para o Céu) vivia uma situaçao difícil sendo noiva de Cristo e tendo como pai um potencial inimigo da Igreja Católica desde Martinho Lutero (1483-1546). Mas aprovava o empenho do pai. Outra filha de Galileu, Lívia, também vivia no mesmo convento como sóror Arcângela; seu filho Vicenzio formou-se em Direito em Pisa. Mas somente com Maria Celeste ele manteve uma correspondência regular. Ela morreu de desidrataçao.

Galileu continou católico. Em carta à Gra-Duquesa Cristina de Lorena, uma de suas críticas, argumentou: "Descobri nos céus várias coisas que nao haviam sido vistas antes de nosso tempo. A novidade desses achados, assim como as conseqüências que deles decorriam em contradiçao com as noçoes físicas comumente defendidas pelos filósofos acadêmicos, acirrou contra mim um número nao pequeno de professores - como se eu tivesse posto essas coisas no céu com minhas próprias maos com a finalidade de conturbar a Natureza e subverter as ciências". Galileu experimentava o mesmo drama de Cristóvao Colombo (1451-1506): provocar uma grande mudança de paradigma que abala o establishment.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;