Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Réplica da nau Capitânia será batizada nesta segunda


Do Diário do Grande ABC

16/04/2000 | 17:44


A réplica da nau Capitânia, que conduziu o navegador Pedro Alvares Cabral na viagem do descobrimento do Brasil, vai ser "batizada" nesta segunda-feira, na Base Naval de Aratu, Baía de Todos os Santos, pela mulher do vice-presidente Marco Maciel, Ana Maria Maciel. Em vez da tradicional garrafa de champanhe, com a qual se batiza uma embarcaçao, Ana Maria usará uma garrafa com água do Rio Capiberipe, de Pernambuco, terra natal de Marco Maciel.

A embarcaçao, encomendada pelo governo para as comemoraçoes dos 500 anos do Descobrimento, custou R$ 3,5 milhoes, e foi construída em dois anos pelos engenheiros do Clube Naval do Rio, sob a coordenaçao do arquiteto francês Henri Schomoff.

A grande dificuldade dos construtores foi a inexistência de documentos sobre a nau, pois as referências e informaçoes foram perdidas na primeira metade do século 18, em consequência do terremoto que arrasou Lisboa. Por causa disso, foram usados desenhos, gravuras e dados de embarcaçoes do século 16, levantadas em Portugal.

Fabricada com três tipos de madeira (cumaru, cedro e piqui) e fibra de vidro, a nau tem 28 metros comprimento por 8 de largura.

Além do sistema de velas tradicional, a embarcaçao recebeu dois motores de 285 HP cada um e dois geradores. Foram acrescentados ainda sanitários e camarotes para a tripulaçao de 35 integrantes, com ar-condicionado, cozinha, geladeira, fogao elétricom, forno de microondas. "Apenas da linha de flutuaçao para cima, as duas naus sao semelhantes; a atual, além de mais confortável, tem muito mais estabilidade que a do passado", lembrou o gerente da construçao, o capitao da reserva da Marinha Cláudio da Mata.

Terça-feira, a nau zarpará para Porto Seguro (BA), onde deve chegar na noite de sexta-feira. Depois das comemoraçoes do descobrimento, a nau será transformada no Museu Móvel Flutuante, visitando todos os portos do Brasil.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Réplica da nau Capitânia será batizada nesta segunda

Do Diário do Grande ABC

16/04/2000 | 17:44


A réplica da nau Capitânia, que conduziu o navegador Pedro Alvares Cabral na viagem do descobrimento do Brasil, vai ser "batizada" nesta segunda-feira, na Base Naval de Aratu, Baía de Todos os Santos, pela mulher do vice-presidente Marco Maciel, Ana Maria Maciel. Em vez da tradicional garrafa de champanhe, com a qual se batiza uma embarcaçao, Ana Maria usará uma garrafa com água do Rio Capiberipe, de Pernambuco, terra natal de Marco Maciel.

A embarcaçao, encomendada pelo governo para as comemoraçoes dos 500 anos do Descobrimento, custou R$ 3,5 milhoes, e foi construída em dois anos pelos engenheiros do Clube Naval do Rio, sob a coordenaçao do arquiteto francês Henri Schomoff.

A grande dificuldade dos construtores foi a inexistência de documentos sobre a nau, pois as referências e informaçoes foram perdidas na primeira metade do século 18, em consequência do terremoto que arrasou Lisboa. Por causa disso, foram usados desenhos, gravuras e dados de embarcaçoes do século 16, levantadas em Portugal.

Fabricada com três tipos de madeira (cumaru, cedro e piqui) e fibra de vidro, a nau tem 28 metros comprimento por 8 de largura.

Além do sistema de velas tradicional, a embarcaçao recebeu dois motores de 285 HP cada um e dois geradores. Foram acrescentados ainda sanitários e camarotes para a tripulaçao de 35 integrantes, com ar-condicionado, cozinha, geladeira, fogao elétricom, forno de microondas. "Apenas da linha de flutuaçao para cima, as duas naus sao semelhantes; a atual, além de mais confortável, tem muito mais estabilidade que a do passado", lembrou o gerente da construçao, o capitao da reserva da Marinha Cláudio da Mata.

Terça-feira, a nau zarpará para Porto Seguro (BA), onde deve chegar na noite de sexta-feira. Depois das comemoraçoes do descobrimento, a nau será transformada no Museu Móvel Flutuante, visitando todos os portos do Brasil.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;