Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Setor produtivo deve se equilibrar

Ipea conta com boas perspectivas para o 3º trimestre; redução de estoques menos intensa ajudou projeção


Bárbara Ladeia
Do Diário do Grande ABC

04/06/2009 | 07:00


Junto com o lançamento de uma nova publicação macroeconômica, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) traz boas notícias para o setor produtivo nacional.

Na primeira edição do Conjuntura em Foco, as perspectivas vieram com a análise das flutuações entre estoque e a produção industrial. "Cruzamos o comportamento dos estoques e com a demanda do mercado. Enquanto não houver equilíbrio entre esses elementos, a indústria não volta ao ritmo normal", afirma Roberto Messenberg, coordenador do grupo de análises e projeção do Ipea. Ele explica que no final do ano passado houve uma espécie de "queimada" dos estoques, tendo em vista o receio da crise internacional. "Queremos saber como está a economia nacional depois dessa desova de produtos que ainda não estavam comprometidos."

Segundo o material do Ipea, nesses quesitos, o cenário tende ao equilíbrio. "As empresas têm reduzido seus estoques de forma menos intensa que no final do ano passado", detalha Messenberg. A base de comparação utilizada é o terceiro trimestre de 2007, quando a euforia do mercado ainda não superestimava a atividade econômica. As perspectivas apontam para uma variação de 0,14% na taxa média de real de estoques entre 2007 e 2009. No entanto, se a base de comparação for o mesmo período de 2008, o País conta com uma queda 1,57% nos níveis. "O equilíbrio deve se consumar já no terceiro trimestre desse ano", pontua o especialista.

BOLA FORA - No entanto, a revisão de perspectivas publicada pelo Ipea, apesar de positiva, aponta para baixo. No início da crise, as primeiras expectativas era de uma solução muito mais rápida e menos estrutural para o cenário econômico nacional. "Tínhamos traçado uma previsão de que a recuperação viria mais rapidamente, ainda no primeiro semestre deste ano", confessa Messenberg.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Setor produtivo deve se equilibrar

Ipea conta com boas perspectivas para o 3º trimestre; redução de estoques menos intensa ajudou projeção

Bárbara Ladeia
Do Diário do Grande ABC

04/06/2009 | 07:00


Junto com o lançamento de uma nova publicação macroeconômica, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) traz boas notícias para o setor produtivo nacional.

Na primeira edição do Conjuntura em Foco, as perspectivas vieram com a análise das flutuações entre estoque e a produção industrial. "Cruzamos o comportamento dos estoques e com a demanda do mercado. Enquanto não houver equilíbrio entre esses elementos, a indústria não volta ao ritmo normal", afirma Roberto Messenberg, coordenador do grupo de análises e projeção do Ipea. Ele explica que no final do ano passado houve uma espécie de "queimada" dos estoques, tendo em vista o receio da crise internacional. "Queremos saber como está a economia nacional depois dessa desova de produtos que ainda não estavam comprometidos."

Segundo o material do Ipea, nesses quesitos, o cenário tende ao equilíbrio. "As empresas têm reduzido seus estoques de forma menos intensa que no final do ano passado", detalha Messenberg. A base de comparação utilizada é o terceiro trimestre de 2007, quando a euforia do mercado ainda não superestimava a atividade econômica. As perspectivas apontam para uma variação de 0,14% na taxa média de real de estoques entre 2007 e 2009. No entanto, se a base de comparação for o mesmo período de 2008, o País conta com uma queda 1,57% nos níveis. "O equilíbrio deve se consumar já no terceiro trimestre desse ano", pontua o especialista.

BOLA FORA - No entanto, a revisão de perspectivas publicada pelo Ipea, apesar de positiva, aponta para baixo. No início da crise, as primeiras expectativas era de uma solução muito mais rápida e menos estrutural para o cenário econômico nacional. "Tínhamos traçado uma previsão de que a recuperação viria mais rapidamente, ainda no primeiro semestre deste ano", confessa Messenberg.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;