Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bolsonaro: fala de Mandetta sobre "trezoitão" iria contra profissão de médico



19/10/2020 | 12:31


O presidente Jair Bolsonaro comentou nesta segunda-feira, 19, a suposta declaração do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta sobre querer usar um "trezoitão", em referência a uma arma de calibre .38, contra os filhos do chefe do Executivo. Bolsonaro afirmou que, caso a fala fosse verdadeira, Mandetta estaria "negando tudo que ele estudou, inclusive o seu juramento quando se formou". O mandatário destacou que "o trabalho do médico é salvar vidas".

"Vou procurar saber, ouvi dizer isso aí. Quero emprestado o livro de alguém porque eu não vou comprar um livro desse cara, de jeito nenhum. Se for verdade, o cara está negando tudo que ele estudou, inclusive o seu juramento quando se formou. Vontade de atirar em mim, é isso mesmo? Ou nos meus filhos?", disse Bolsonaro nesta manhã a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

A frase atribuída ao ex-ministro, contudo, não consta do seu livro lançado em setembro, mas estaria no livro de Ugo Braga, ex-diretor de Comunicação do Ministério da Saúde que atuou na gestão de Mandetta. As informações são da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

No livro de Braga, que deve ser lançado em 10 de novembro, Mandetta teria dito que "o presidente é bom, é bem-intencionado. O problema são aqueles filhos dele, que ficam o dia inteiro xingando nas redes sociais (...) Minha vontade é pegar um trezoitão e cravar neles. Pelo menos passava a minha raiva". A fala teria ocorrido em 15 de abril, um dia antes do então ministro ser exonerado do governo.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo da última sexta-feira, 16, o ex-ministro disse que não se lembra da fala e que não estava preocupado com os filhos do presidente durante o enfrentamento da pandemia. Hoje, quando questionado por apoiadores sobre a suposta declaração, o chefe do Executivo ressaltou que não tinha conhecimento do assunto. "Quero deixar claro que não vi o livro, ouvi dizer esse negócio que você perguntou. Eu não acredito que esteja escrito isso lá", acrescentou Bolsonaro.

Mandetta deixou o governo em 16 de abril depois de divergências com o presidente quanto à orientação de isolamento social e ao uso da hidroxicloroquina, medicamento sem eficácia comprovada contra a covid-19. Nesta segunda-feira, Bolsonaro indicou ainda que "parece que teremos brevemente uma comprovação científica" sobre o remédio.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o estudo Solidarity indicou que a hidroxicloroquina e outros três antivirais tiveram pouco ou quase nenhum efeito sobre os tempos de internação ou chances de sobrevivência de pacientes da covid-19. Os resultados da pesquisa, que ainda passarão por revisão, foram disponibilizados no servidor MedRxiv antes de serem publicados em uma revista científica.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro: fala de Mandetta sobre "trezoitão" iria contra profissão de médico


19/10/2020 | 12:31


O presidente Jair Bolsonaro comentou nesta segunda-feira, 19, a suposta declaração do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta sobre querer usar um "trezoitão", em referência a uma arma de calibre .38, contra os filhos do chefe do Executivo. Bolsonaro afirmou que, caso a fala fosse verdadeira, Mandetta estaria "negando tudo que ele estudou, inclusive o seu juramento quando se formou". O mandatário destacou que "o trabalho do médico é salvar vidas".

"Vou procurar saber, ouvi dizer isso aí. Quero emprestado o livro de alguém porque eu não vou comprar um livro desse cara, de jeito nenhum. Se for verdade, o cara está negando tudo que ele estudou, inclusive o seu juramento quando se formou. Vontade de atirar em mim, é isso mesmo? Ou nos meus filhos?", disse Bolsonaro nesta manhã a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

A frase atribuída ao ex-ministro, contudo, não consta do seu livro lançado em setembro, mas estaria no livro de Ugo Braga, ex-diretor de Comunicação do Ministério da Saúde que atuou na gestão de Mandetta. As informações são da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

No livro de Braga, que deve ser lançado em 10 de novembro, Mandetta teria dito que "o presidente é bom, é bem-intencionado. O problema são aqueles filhos dele, que ficam o dia inteiro xingando nas redes sociais (...) Minha vontade é pegar um trezoitão e cravar neles. Pelo menos passava a minha raiva". A fala teria ocorrido em 15 de abril, um dia antes do então ministro ser exonerado do governo.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo da última sexta-feira, 16, o ex-ministro disse que não se lembra da fala e que não estava preocupado com os filhos do presidente durante o enfrentamento da pandemia. Hoje, quando questionado por apoiadores sobre a suposta declaração, o chefe do Executivo ressaltou que não tinha conhecimento do assunto. "Quero deixar claro que não vi o livro, ouvi dizer esse negócio que você perguntou. Eu não acredito que esteja escrito isso lá", acrescentou Bolsonaro.

Mandetta deixou o governo em 16 de abril depois de divergências com o presidente quanto à orientação de isolamento social e ao uso da hidroxicloroquina, medicamento sem eficácia comprovada contra a covid-19. Nesta segunda-feira, Bolsonaro indicou ainda que "parece que teremos brevemente uma comprovação científica" sobre o remédio.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o estudo Solidarity indicou que a hidroxicloroquina e outros três antivirais tiveram pouco ou quase nenhum efeito sobre os tempos de internação ou chances de sobrevivência de pacientes da covid-19. Os resultados da pesquisa, que ainda passarão por revisão, foram disponibilizados no servidor MedRxiv antes de serem publicados em uma revista científica.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;