Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Nova testemunha pode complicar irmao de deputado


Do Diário do Grande ABC

02/04/2000 | 16:18


Integrantes da CPI do Narcotráfico em Minas Gerias tomaram no fim de semana, na delegacia de Polícia de Francisco Sá, extremo norte do Estado, o depoimento de um ladrao de carros que poderá complicar mais a situaçao do empresário Paulo César Santiago, irmao do deputado mineiro Arlen Santiago (PTB). Segundo o relator da CPI estadual, Rogério Corrêa (PT), o homem, identificado apenas como Fábio e detido quinta-feira, em um município vizinho, quando dirigia uma Parati roubada, contou que puxava carros para um suposto funcionário de Paulo César.

"Ele disse que os carros roubados tinham os documentos 'esquentados' em Monte Azul, no norte do Estado", afirmou Corrêa. "Depois, seriam entregues a um tal Joao Pereira, em Montes Claros, que trabalharia para um empresário da cidade, irmao de um deputado, que poderia ser o Paulo César", afirmou Corrêa.

O ladrao explicou que Joao Pereira - nome falso, segundo Corrêa - era encarregado de esconder cocaína nos carros e, depois, enviá-los a Sao Paulo. "Precisamos de cautela com a história, mesmo porque Fábio admitiu que jamais viu o empresário Paulo César, mas vamos aprofundar as investigaçoes", ressaltou o parlamentar.

Corrêa esteve em Francisco Sá sábado à tarde com o presidente da CPI mineira, Marcelo Gonçalves (PDT). Os dois retornaram a Belo Horizonte com um relatório com novas informaçoes. A CPI retoma as atividades nesta segunda-feira, na Assembléia Legislativa."Vamos começar a ouvir uma série de pessoas que podem elucidar o caso e nos fornecer detalhes de fatos que já conhecemos", disse o deputado. Na relaçao de testemunhas estao três policiais civis aposentados, que atuaram em Montes Claros na década de 80, entre eles o ex-delegado de Tóxicos Otácilo de Lima.

O delegado, que mora em Contagem, regiao metropolitana de Belo Horizonte, foi o responsável por um inquérito criminal contra Paulo César Santiago e outro irmao, Pedro, em 1987. Os dois foram indiciados, juntamente com outras pessoas, por tráfico de drogas. O inquérito, originado por denúncias de um usuário de cocaína, foi encaminhado ao Ministério Público, mas foi arquivado por "falta de provas materiais".

Lima apurou que uma casa noturna entao pertencente a Paulo César seria ponto de venda de drogas. O mais estranho, de acordo com o parlamentar, é que os policiais que trabalharam no caso foram afastados logo depois do encerramento do inquérito. "Suspeitamos que Paulo César teve influência, na época, na nomeaçao de um novo delegado regional para a cidade, que, por sua vez, determinou a transferência dos policiais que o investigavam", disse Corrêa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Nova testemunha pode complicar irmao de deputado

Do Diário do Grande ABC

02/04/2000 | 16:18


Integrantes da CPI do Narcotráfico em Minas Gerias tomaram no fim de semana, na delegacia de Polícia de Francisco Sá, extremo norte do Estado, o depoimento de um ladrao de carros que poderá complicar mais a situaçao do empresário Paulo César Santiago, irmao do deputado mineiro Arlen Santiago (PTB). Segundo o relator da CPI estadual, Rogério Corrêa (PT), o homem, identificado apenas como Fábio e detido quinta-feira, em um município vizinho, quando dirigia uma Parati roubada, contou que puxava carros para um suposto funcionário de Paulo César.

"Ele disse que os carros roubados tinham os documentos 'esquentados' em Monte Azul, no norte do Estado", afirmou Corrêa. "Depois, seriam entregues a um tal Joao Pereira, em Montes Claros, que trabalharia para um empresário da cidade, irmao de um deputado, que poderia ser o Paulo César", afirmou Corrêa.

O ladrao explicou que Joao Pereira - nome falso, segundo Corrêa - era encarregado de esconder cocaína nos carros e, depois, enviá-los a Sao Paulo. "Precisamos de cautela com a história, mesmo porque Fábio admitiu que jamais viu o empresário Paulo César, mas vamos aprofundar as investigaçoes", ressaltou o parlamentar.

Corrêa esteve em Francisco Sá sábado à tarde com o presidente da CPI mineira, Marcelo Gonçalves (PDT). Os dois retornaram a Belo Horizonte com um relatório com novas informaçoes. A CPI retoma as atividades nesta segunda-feira, na Assembléia Legislativa."Vamos começar a ouvir uma série de pessoas que podem elucidar o caso e nos fornecer detalhes de fatos que já conhecemos", disse o deputado. Na relaçao de testemunhas estao três policiais civis aposentados, que atuaram em Montes Claros na década de 80, entre eles o ex-delegado de Tóxicos Otácilo de Lima.

O delegado, que mora em Contagem, regiao metropolitana de Belo Horizonte, foi o responsável por um inquérito criminal contra Paulo César Santiago e outro irmao, Pedro, em 1987. Os dois foram indiciados, juntamente com outras pessoas, por tráfico de drogas. O inquérito, originado por denúncias de um usuário de cocaína, foi encaminhado ao Ministério Público, mas foi arquivado por "falta de provas materiais".

Lima apurou que uma casa noturna entao pertencente a Paulo César seria ponto de venda de drogas. O mais estranho, de acordo com o parlamentar, é que os policiais que trabalharam no caso foram afastados logo depois do encerramento do inquérito. "Suspeitamos que Paulo César teve influência, na época, na nomeaçao de um novo delegado regional para a cidade, que, por sua vez, determinou a transferência dos policiais que o investigavam", disse Corrêa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;