Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Em 'A Sombra do Pai', a busca pela mãe

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


02/05/2019 | 07:12


Gabriela Amaral Almeida fez sua formação nos anos 1980 e 90, quando os filmes de terror invadiam as madrugadas da TV aberta e eram o gênero dominante nas prateleiras das locadoras de vídeos. Era uma menina suscetível, que curtia relatos sobre medo, morte. Seu maior choque foi a descoberta de Psicose, de Alfred Hitchcock, quando tinha 15 ou 16 anos. De uma forma ainda difusa, ela percebeu que era o que queria fazer. O que, exatamente, não sabia. Na universidade, ainda na Bahia, descobriu que podia fazer filmes, ou então estudá-los. Tornou-se mestra, foi para Cuba, cursou a tradicional Escola de San Antonio de Los Baños. Tornou-se roteirista, diretora.

Estreia nesta quinta, 2, seu segundo longa, A Sombra do Pai. Deveria ter sido o primeiro, após longa gestação. Mas a liberação dos recursos atrasou e Gabriela não queria ficar um ano repassando o filme na cabeça. Tinha medo que ele passasse do ponto. Bateu na porta do produtor Rodrigo Teixeira, ofereceu-lhe o projeto de O Animal Cordial, que foi filmado e estreou antes. A Sombra do Pai virou o segundo longa, Rodrigo Teixeira segue associado - e foi decisivo da pós-produção de A Sombra do Pai.

O cinema de gênero, leia-se terror, consolida-se no Brasil. Antes, havia os filmes de Zé do Caixão. Hoje, existe a geração de Gabriela, de Marco Dutra e Juliana Rojas, de Marina Meliande. Filmes como os citados de Gabriela, e também Trabalhar Cansa, As Boas Maneiras e Mormaço, que vai estrear na próxima quinta, 9.

Andrucha Waddington finaliza Juízo, terror sobrenatural espírita que tem roteiro de Fernanda Torres e Fernanda Montenegro no elenco. Na junket de Sob Pressão - sua série que estreia nesta quinta, na Globo -, Andrucha disse quer adorou fazer cinema de gênero. Acrescentou que o filme está bom, assustador.

Cada um no seu momento. A Sombra do Pai é sobre essa garota que perdeu a mãe e vive com a tia e o pai. A tia vai se casar, o pai dá duro na construção civil. Não tem tempo de fazer o luto, e talvez não perceba a profundidade das mudanças na filha, uma garota sensitiva, que acredita em vida após a morte e cujo sonho é trazer a mãe de volta. Gabriela reflete que o Brasil atual virou terreno propício para o cinema de gênero. "Às vezes tenho a impressão que tudo isso que vivemos é um pesadelo, não é real, como se o Brasil, a partir dos momentos de 2013, tivesse entrado numa realidade paralela. É tanto horror que nem sei."

Na verdade, e cedo, ela descobriu que, por mais que o gênero lhe tenha fornecido uma ferramenta para olhar o mundo - e que ela devolve como narrativa -, não busca no terror uma forma de alienação, mas justamente, pelo contrário, uma afirmação política.

Pois Gabriela sabe que o horror, ou o terror da realidade, supera o dos filmes. Aprendeu em casa. "Meu pai era engenheiro especializado em ferrovias. Tinha uma função social importante, era um homem admirado, com uma posição. De um dia para o outro, os poderosos resolveram que a malha férrea não seria mais necessária, que os trens estavam obsoletos e seriam substituídos pela malha viária, por carros. Meu pai, que estava no auge, sentiu o golpe. Vi-o transformar-se, virar um farrapo de si mesmo. Isso me marcou. E acho que, na atualidade, o que me interessa é fazer cinema de gênero para colocar na tela o processo de desumanização que está nas base do capitalismo, do neoliberalismo. Não é o humano que importa. A concentração de riqueza, a exclusão social, esse é o verdadeiro terror dos tempos modernos."

Na trama de A Sombra do Pai, Júlio Machado não supera a morte da mulher nem o suicídio do colega demitido no canteiro de obras. Internaliza os fantasmas que o destroem. A filha e a tia acreditam na religiosidade popular. Luciana Paes vive fazendo trabalhos para se casar. Nina Medeiros quer a mãe de volta. Nina é fantástica.

"Fizemos um casting extenso, mas ela foi encontrada na rua, na saída da escola. Nina é um doce, mas encarnou a personagem de um jeito que tem gente que me diz, depois de ver o filme, que tem medo dela", diz a diretora.

Como baiana, Gabriela convive muito bem com o sincretismo religioso. "Hoje eu acho que exige uma cobrança, um dirigismo religioso. As religiões afro, como tudo que é negro nesse Brasil, parece que parou de merecer respeito. Eu me criei entre as benzedeiras dos terreiros e a comunhão da igreja. Tudo somava. Hoje, infelizmente, não é assim."

Por mais crítico e até ideológico que seja seu cinema, Gabriela evita o que para ela seria um problema - a ideologização dos personagens. "Personagem tem de viver, se vira porta-voz do diretor a dramaturgia fica comprometida." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;