Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Rapper Eminem faz história na telona


Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

13/04/2003 | 18:41


Segue firme e forte em duas salas da região 8 Mile – Rua das Ilusões, filme que entrará para a história por lançar o rapper Eminem no cinema (antes ele só havia feito pontas) e pelo Oscar de melhor canção, Lose Yourself.

Houve muita falação na época do lobby para as indicações ao prêmio. Cogitava-se incluir o cantor na categoria de melhor ator. O que, segundo o empresário de Eminem, Paul Rosenberg, não lhe interessava. “Ele não quer ser visto como uma estrela de cinema. O tapete vermelho não faz seu estilo”, disse. O que parecia mais uma jogada para consolidar a imagem de bad boy do rapper acabou se revelando coerente.

Eminem levou a estatueta pelo que sabe fazer – música – e, coisa rara de se ver, não compareceu à festa. E foi uma noite que se tornou histórica pelos protestos contra a invasão anglo-americana no Iraque.

Mais uma vez, o branquelo de Detroit mostrou que só entra em campo para ganhar. Quando estreou nos Estados Unidos, 8 Mile faturou US$ 54 milhões em apenas três dias, agora já é o campeão de vendas em DVD. Conta com o mega-produtor Brian Grazer (que ganhou o Oscar por Uma Mente Brilhante) e é dirigido por Curtis Hanson (de Los Angeles: Cidade Proibida). No elenco, Kim Basinger, ótima como a decadente mãe do personagem de Eminem e bons atores desconhecidos para garantir o clima de “gente como a gente”.

A história é previsível e se confunde com a vida do astro: rapper branco de Detroit tenta ser aceito na cena dominada por negros. Não tinha como dar errado. Sobre a “surpreendente” atuação de Eminem, apontada por alguns críticos, vale lembrar que ele é um bom rapper, um repentista de nossos tempos: tem domínio da palavra, das emoções e timing. Fazer papel de si mesmo não lhe custou nada e rendeu muito.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Rapper Eminem faz história na telona

Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

13/04/2003 | 18:41


Segue firme e forte em duas salas da região 8 Mile – Rua das Ilusões, filme que entrará para a história por lançar o rapper Eminem no cinema (antes ele só havia feito pontas) e pelo Oscar de melhor canção, Lose Yourself.

Houve muita falação na época do lobby para as indicações ao prêmio. Cogitava-se incluir o cantor na categoria de melhor ator. O que, segundo o empresário de Eminem, Paul Rosenberg, não lhe interessava. “Ele não quer ser visto como uma estrela de cinema. O tapete vermelho não faz seu estilo”, disse. O que parecia mais uma jogada para consolidar a imagem de bad boy do rapper acabou se revelando coerente.

Eminem levou a estatueta pelo que sabe fazer – música – e, coisa rara de se ver, não compareceu à festa. E foi uma noite que se tornou histórica pelos protestos contra a invasão anglo-americana no Iraque.

Mais uma vez, o branquelo de Detroit mostrou que só entra em campo para ganhar. Quando estreou nos Estados Unidos, 8 Mile faturou US$ 54 milhões em apenas três dias, agora já é o campeão de vendas em DVD. Conta com o mega-produtor Brian Grazer (que ganhou o Oscar por Uma Mente Brilhante) e é dirigido por Curtis Hanson (de Los Angeles: Cidade Proibida). No elenco, Kim Basinger, ótima como a decadente mãe do personagem de Eminem e bons atores desconhecidos para garantir o clima de “gente como a gente”.

A história é previsível e se confunde com a vida do astro: rapper branco de Detroit tenta ser aceito na cena dominada por negros. Não tinha como dar errado. Sobre a “surpreendente” atuação de Eminem, apontada por alguns críticos, vale lembrar que ele é um bom rapper, um repentista de nossos tempos: tem domínio da palavra, das emoções e timing. Fazer papel de si mesmo não lhe custou nada e rendeu muito.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;