Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Secretário: 'nao havia como prever mortes em hospital do Rio'


Do Diário do Grande ABC

10/05/1999 | 10:51


O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Ronaldo Gazzola, disse nesta segunda-feira, em entrevista à rádio CBN, que nao havia como prever a morte de pessoas durante os plantoes do auxiliar de enfermagem Edson Izidoro Guimaraes e que o mínimo que pode ser feito é oferecer indenizaçoes às famílias das vítimas.

Segundo ele, o prefeito Luiz Paulo Conde vai entregar o caso nesta segunda-feira à Procuradoria do município, que vai entrar em contato com a Justiça para estabelecer o valor da indenizaçao. Gazzola disse que a indenizaçao é uma forma de respeito e consideraçao da prefeitura, que tem responsabilidade no caso, mas nao poderia prever o acontecimento.

Ele acha muito difícil que Izidoro esteja em situaçao irregular quanto à sua licença de trabalho, como garantiu o presidente do Conselho de Enfermagem à rádio CBN. O secretário argumentou que uma pessoa precisa apresentar todos os documentos legais para que seja contratada, principalmente por se tratar de concurso público.

Quanto à máfia das funerárias, Gazzola disse que este é um negócio que movimenta milhoes e que será possível identificar as funerárias que estiveram envolvidas no esquema.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Secretário: 'nao havia como prever mortes em hospital do Rio'

Do Diário do Grande ABC

10/05/1999 | 10:51


O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Ronaldo Gazzola, disse nesta segunda-feira, em entrevista à rádio CBN, que nao havia como prever a morte de pessoas durante os plantoes do auxiliar de enfermagem Edson Izidoro Guimaraes e que o mínimo que pode ser feito é oferecer indenizaçoes às famílias das vítimas.

Segundo ele, o prefeito Luiz Paulo Conde vai entregar o caso nesta segunda-feira à Procuradoria do município, que vai entrar em contato com a Justiça para estabelecer o valor da indenizaçao. Gazzola disse que a indenizaçao é uma forma de respeito e consideraçao da prefeitura, que tem responsabilidade no caso, mas nao poderia prever o acontecimento.

Ele acha muito difícil que Izidoro esteja em situaçao irregular quanto à sua licença de trabalho, como garantiu o presidente do Conselho de Enfermagem à rádio CBN. O secretário argumentou que uma pessoa precisa apresentar todos os documentos legais para que seja contratada, principalmente por se tratar de concurso público.

Quanto à máfia das funerárias, Gazzola disse que este é um negócio que movimenta milhoes e que será possível identificar as funerárias que estiveram envolvidas no esquema.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;