Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Funai vai refazer documentos de índios Guarani-Kaiowá


Da Agência Brasil

02/01/2006 | 12:49


Dois servidores da Funai (Fundação Nacional do Índio) chegam nesta quarta-feira ao acampamento dos índios Guarani-Kaiowá, montado há 18 dias à beira da estrada que liga os municípios de Bela Vista e Antônio João, em Mato Grosso do Sul.

Com o apoio de cinco funcionários da Funai que já estão no local, eles vão refazer a documentação de identidade e trabalhista dos cerca de 400 indígenas acampados. Os documentos originais foram queimados durante a desocupação das terras Nhande Ru Marangatu, no dia 15 de dezembro.

"Após a decisão judicial que determinou o despejo dos Guarani-Kaiowá da área, os fazendeiros agiram de forma paralela e iniciaram o despejo, antes da Polícia Federal, queimando os pertences dos índios", conta o coordenador regional da Funai em Mato Grosso do Sul, Odenir Oliveira. "Agora, esses documentos serão refeitos porque são essenciais para que os índios recebam seus direitos sociais, como auxílio maternidade e aposentadoria".

O líder indígena Isaías Sanches Martins também espera que os funcionários da Funai façam o primeiro registro de crianças e jovens do grupo. De acordo com ele, por muito tempo, os Guarani-Kaiowá permaneceram sem assistência do governo. "Já não tínhamos acesso a uma série de benefícios sociais para as crianças. Depois desses acontecimentos, as autoridades ficaram sensibilizadas e começam a dar uma atenção mais específica", avalia Martins.

Em novembro, o ministro Nelson Jobim, do STF, suspendeu os efeitos do decreto presidencial de homologação dos 9,3 mil hectares da área indígena Cerro Marangatu em favor dos Guarani-Kaiowá. Diante disso, no dia 7 de dezembro, a presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região de São Paulo, desembargadora Diva Malerbi, determinou a reintegração de posse da área em favor de três fazendeiros. A desocupação ocorreu no dia 15, com auxílio da Polícia Federal. O Ministério Público investiga, no entanto, possível ação ilegal dos fazendeiros durante o despejo.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Funai vai refazer documentos de índios Guarani-Kaiowá

Da Agência Brasil

02/01/2006 | 12:49


Dois servidores da Funai (Fundação Nacional do Índio) chegam nesta quarta-feira ao acampamento dos índios Guarani-Kaiowá, montado há 18 dias à beira da estrada que liga os municípios de Bela Vista e Antônio João, em Mato Grosso do Sul.

Com o apoio de cinco funcionários da Funai que já estão no local, eles vão refazer a documentação de identidade e trabalhista dos cerca de 400 indígenas acampados. Os documentos originais foram queimados durante a desocupação das terras Nhande Ru Marangatu, no dia 15 de dezembro.

"Após a decisão judicial que determinou o despejo dos Guarani-Kaiowá da área, os fazendeiros agiram de forma paralela e iniciaram o despejo, antes da Polícia Federal, queimando os pertences dos índios", conta o coordenador regional da Funai em Mato Grosso do Sul, Odenir Oliveira. "Agora, esses documentos serão refeitos porque são essenciais para que os índios recebam seus direitos sociais, como auxílio maternidade e aposentadoria".

O líder indígena Isaías Sanches Martins também espera que os funcionários da Funai façam o primeiro registro de crianças e jovens do grupo. De acordo com ele, por muito tempo, os Guarani-Kaiowá permaneceram sem assistência do governo. "Já não tínhamos acesso a uma série de benefícios sociais para as crianças. Depois desses acontecimentos, as autoridades ficaram sensibilizadas e começam a dar uma atenção mais específica", avalia Martins.

Em novembro, o ministro Nelson Jobim, do STF, suspendeu os efeitos do decreto presidencial de homologação dos 9,3 mil hectares da área indígena Cerro Marangatu em favor dos Guarani-Kaiowá. Diante disso, no dia 7 de dezembro, a presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região de São Paulo, desembargadora Diva Malerbi, determinou a reintegração de posse da área em favor de três fazendeiros. A desocupação ocorreu no dia 15, com auxílio da Polícia Federal. O Ministério Público investiga, no entanto, possível ação ilegal dos fazendeiros durante o despejo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;