Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 10 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Denúncia de remédios vencidos em Diadema causa sessão-relâmpago


Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

11/02/2006 | 07:49


Conhecida por suas sessões longas e marcadas pelo uso da tribuna, a Câmara de Diadema começou o ano legislativo com votação-relâmpago. Os cinco itens da Ordem do Dia foram aprovados pelos vereadores, que abriram mão do uso da palavra. O que apressou os trabalhos parlamentares foi a descoberta de medicamentos vencidos no almoxarifado da Prefeitura que seriam incinerados pela administração. Surpreendentemente, foi aprovado em segunda votação o projeto de lei do líder de governo Pastor Jair (PT), que proíbe o consumo de bebidas alcoólicas nos postos de gasolina da cidade.

A Câmara também manobrou para tentar despolitizar o caso dos remédios que seriam incinerados. Ao saberem das denúncias, a sessão foi suspensa por alguns minutos, enquanto os vereadores se reuniram no plenarinho da Casa e decidiram que o vereador Zé Dourado (PSDB) apresentaria justificativa para a falta à sessão dos vereadores Lauro Michels (PSDB) e Vagner Feitosa, o Vaguinho (PSB), argumentando que eles estavam no almoxarifado a serviço da Câmara.

"Eles não representavam o PSB ou o PSDB, e sim a instituição legislativa. Não estavam lá fazendo oposição individual, mas sim cumprindo o papel do vereador de fiscalizar", argumenta o líder do PT na Câmara Manoel Eduardo Marinho, o Maninho. A Casa aprovou a proposta e os dois parlamentares, que são oposição ao prefeito José de Filippi Júnior (PT), tiveram suas faltas justificadas.

A aprovação unânime da proposta anti-bebida alcoólica do líder de governo também foi reflexo do caso dos remédios incinerados. O projeto foi criticado pela oposição e até pela situação. Na sessão da última quinta-feira, porém, passou por unanimidade, com emenda do próprio Jair que modificou o projeto original. O texto proibia a "comercialização" de bebidas alcoólicas nas lojas de conveniência e similares dos postos, termo que foi substituído por "consumo". Na prática, os postos poderão vender bebidas, mas não permitir o consumo no local. "Mais uma vez Diadema sai na frente", comemora Jair. Mesmo ajudando a aprovar a proposta, os vereadores bateram no projeto.

"Ele fez a emenda e acha suficiente. Para mim, dá na mesma", avisa Milton Capel (PMDB). Ele justifica ter votado favoravelmente à proposta pois houve consenso entre os vereadores para agilizar a sessão e ir ao almoxarifado. "Foi um rebuliço danado, cinco itens e todo mundo votando sim, na pressa de ir para lá", resumiu o peemedebista. "Naquele momento, agimos para salvar a sessão", completa o vereador Zé Dourado (PSDB), também contrário ao projeto. "Se você vem de outro lugar abastecer e um passageiro está com uma lata de cerveja, o dono do posto é multado. É complicado isso", critica o tucano.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;