Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Turismo mundial gera rendimentos de US$ 735 bilhões em 2006


Da AFP

22/06/2007 | 19:31


Cerca de 840 milhões de pessoas viajaram no mundo durante o ano de 2006, gerando rendimentos de US$ 735 bilhões, anunciou nesta sexta-feira em San Salvador o chamado "Barômetro" da OMT (Organização Mundial de Turismo).

Segundo o representante regional para as Américas da OMT, Augusto Huescar, "o mundo consolidou, em 2006, 840 milhões de chegadas de turistas internacionais, o que significa um crescimento de 4,9% em relação ao ano passado".

O balanço foi divulgado durante a 46ª reunião da Comissão das Américas da OMT, que debate em San Salvador quatro temas-chave: a segurança turística, a qualidade como fator estratégico da competitividade, a implantação da estratégia marca-país e os segmentos emergentes como a oportunidade de expansão do turismo.

Segundo o informe, a Europa encabeça a lista das entradas de turistas com 455 milhões de pessoas que geraram rendimentos de US$ 377,6 bilhões, enquanto que os países asiáticos e da Oceania receberam 167 milhões de visitantes, que por sua vez deixaram US$ 153 bilhões.

O continente americano e a região do Caribe receberam juntos durante 2006 um total de 136 milhões de turistas, que deixaram US$ 153,3 bilhões. As nações do Oriente Médio receberam 40,7 milhões de turistas com um saldo de US$ 26,7 milhões. As as regiões menos favorecidas pelo turismo foram a África do Norte e a África Subsaariana, com apenas 40,8 milhões de turistas e rendimentos de US$ 24,2 bilhões.

 Em termos percentuais, a Europa concentra 54,2% do turismo mundial, seguida pela Ásia com 19,9%, pelas Américas com 16,2%, África com 4,9% e Oriente Médio com 4,8%.

O secretário-geral da OMT, Francesco Frangialli, destacou a evolução da chamada indústria limpa no continente americano. "Cabe destacar que, no contexto americano, a América Central é a subregião que está crescendo mais. Recebeu em 2006 quase 7 milhões de turistas que deixaram cerca de US$ 5 bilhões", comentou Frangialli.

O secretário-geral da OMT ressaltou o fato de os países centro-americanos (Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá e Belize), apesar de terem prioridades próprias, terem consolidado a marca comum "América Central", para se posicionarem no competitivo mercado do turismo internacional.

Segundo Frangialli, as chegadas de turistas internacionais em 2006 aumentaram no continente pouco mais de 2,1%, a metade do crescimento médio mundial que foi de 4,9%. A América do Norte, que concentra 66% do total de chegadas à região, puxou a média para baixo com seu modesto crescimento: 0,9% .

Apesar da evolução favorável do turismo, o secretário-geral da OMT considerou que ainda está presente o fantasma dos atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington. "A lembrança do 11 de setembro não desapareceu totalmente nos Estados Unidos e a percepção deste destino nos grandes mercados emissores deve melhorar", comentou Frangialli.

Nos primeiros quatro meses de 2007, o Barômetro da OMT indica nas Américas um crescimento de 3%, superando os 2% do mesmo período em 2006.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Turismo mundial gera rendimentos de US$ 735 bilhões em 2006

Da AFP

22/06/2007 | 19:31


Cerca de 840 milhões de pessoas viajaram no mundo durante o ano de 2006, gerando rendimentos de US$ 735 bilhões, anunciou nesta sexta-feira em San Salvador o chamado "Barômetro" da OMT (Organização Mundial de Turismo).

Segundo o representante regional para as Américas da OMT, Augusto Huescar, "o mundo consolidou, em 2006, 840 milhões de chegadas de turistas internacionais, o que significa um crescimento de 4,9% em relação ao ano passado".

O balanço foi divulgado durante a 46ª reunião da Comissão das Américas da OMT, que debate em San Salvador quatro temas-chave: a segurança turística, a qualidade como fator estratégico da competitividade, a implantação da estratégia marca-país e os segmentos emergentes como a oportunidade de expansão do turismo.

Segundo o informe, a Europa encabeça a lista das entradas de turistas com 455 milhões de pessoas que geraram rendimentos de US$ 377,6 bilhões, enquanto que os países asiáticos e da Oceania receberam 167 milhões de visitantes, que por sua vez deixaram US$ 153 bilhões.

O continente americano e a região do Caribe receberam juntos durante 2006 um total de 136 milhões de turistas, que deixaram US$ 153,3 bilhões. As nações do Oriente Médio receberam 40,7 milhões de turistas com um saldo de US$ 26,7 milhões. As as regiões menos favorecidas pelo turismo foram a África do Norte e a África Subsaariana, com apenas 40,8 milhões de turistas e rendimentos de US$ 24,2 bilhões.

 Em termos percentuais, a Europa concentra 54,2% do turismo mundial, seguida pela Ásia com 19,9%, pelas Américas com 16,2%, África com 4,9% e Oriente Médio com 4,8%.

O secretário-geral da OMT, Francesco Frangialli, destacou a evolução da chamada indústria limpa no continente americano. "Cabe destacar que, no contexto americano, a América Central é a subregião que está crescendo mais. Recebeu em 2006 quase 7 milhões de turistas que deixaram cerca de US$ 5 bilhões", comentou Frangialli.

O secretário-geral da OMT ressaltou o fato de os países centro-americanos (Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá e Belize), apesar de terem prioridades próprias, terem consolidado a marca comum "América Central", para se posicionarem no competitivo mercado do turismo internacional.

Segundo Frangialli, as chegadas de turistas internacionais em 2006 aumentaram no continente pouco mais de 2,1%, a metade do crescimento médio mundial que foi de 4,9%. A América do Norte, que concentra 66% do total de chegadas à região, puxou a média para baixo com seu modesto crescimento: 0,9% .

Apesar da evolução favorável do turismo, o secretário-geral da OMT considerou que ainda está presente o fantasma dos atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington. "A lembrança do 11 de setembro não desapareceu totalmente nos Estados Unidos e a percepção deste destino nos grandes mercados emissores deve melhorar", comentou Frangialli.

Nos primeiros quatro meses de 2007, o Barômetro da OMT indica nas Américas um crescimento de 3%, superando os 2% do mesmo período em 2006.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;