Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Homem é preso por assassinato após ‘cantada’


Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

18/11/2005 | 08:32


Antônio Edson da Silva Pereira, 20 anos, foi preso quinta-feira na Vila São Pedro, em São Bernardo, acusado de cometer um assassinato no mesmo bairro no dia 2. Pereira confessou o crime e disse que matou o desempregado Robson Gonçalves da Silva, 39 anos, por causa de uma "cantada" que havia passado na irmã dele, quando estavam em uma padaria. Silva não gostou da abordagem em cima da irmã e esbofeteou Pereira. Como represália, Pereira atirou seis vezes contra Silva.

Além de ser detido por causa do assassinato por policiais da Delegacia de Homicídios de São Bernardo, Pereira também é acusado de fazer proteção a uma boca de tráfico na favela da Vila São Pedro, um dos principais pontos de distribuição de drogas do Grande ABC.

Quinta-feira pela manhã, no momento da prisão, Pereira foi encontrado em um barraco da favela com um fuzil caseiro feito por meio de adaptação de uma espingarda calibre 32. Segundo a polícia, no local foram encontrados também um revólver 38, oito cartuchos de espingarda calibre 12, dois celulares roubados e R$ 68 em diversas notas, provavelmente oriundas do tráfico.

Foi detido também um adolescente de 14 anos, acusado de trabalhar com Pereira na proteção da boca. O menor já teve passagem na unidade Brás da Febem por tráfico. Ele negou que fizesse proteção da boca.

O assassinato do desempregado, em 2 de novembro, ocorreu às 23h15 na calçada da rua Jerônimo dos Santos, em frente à padaria Branca de Neve. À noite, o estabelecimento também toca música e algumas pessoas dançam.

Minutos antes do crime, Pereira, conhecido como Baianinho, havia "cantado" uma irmã de Silva. "Eu estava a fim dela. Me aproximei, peguei em seu cotovelo e falei umas gracinhas no seu ouvido. O irmão dela não gostou, deu um tapa em meu rosto e falou para eu ir embora. Não tenho sangue de barata. Saí da padaria e fui pegar uma arma para me vingar."

Pereira afirma que foi buscar um revólver 38 no barracão onde mora, no mesmo lugar em que foi preso quinta-feira. Após pegá-lo, voltou à padaria e encontrou Pereira na calçada. "Descarreguei todas as balas em cima dele. Depois fugi e voltei horas mais tarde para o barraco onde me prenderam quinta-feira", disse o acusado à reportagem na presença de policiais.

"Recebemos informações sobre o possível paradeiro de Pereira e efetuamos a operação. Só não esperávamos encontrar as armas e munições no local", afirmou o delegado Nelson Neves de Oliveira.

Pereira negou que trabalhava para o tráfico da Vila São Pedro. "As armas serviam apenas para proteção. Lá é um local muito perigoso", afirmou. Ele contou que ganhava dinheiro realizando diversos "bicos", dentre os quais venda de cadeiras de balanço.

Sobre o adolescente de 14 anos, o acusado disse que ele é apenas um amigo e, às vezes, o visitava em casa, versão que foi confirmada pelo menor. "Não tenho nada a ver com essas armas e nem com o tráfico. Apenas estava dentro do barraco quando a polícia chegou", afirmou o adolescente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Homem é preso por assassinato após ‘cantada’

Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

18/11/2005 | 08:32


Antônio Edson da Silva Pereira, 20 anos, foi preso quinta-feira na Vila São Pedro, em São Bernardo, acusado de cometer um assassinato no mesmo bairro no dia 2. Pereira confessou o crime e disse que matou o desempregado Robson Gonçalves da Silva, 39 anos, por causa de uma "cantada" que havia passado na irmã dele, quando estavam em uma padaria. Silva não gostou da abordagem em cima da irmã e esbofeteou Pereira. Como represália, Pereira atirou seis vezes contra Silva.

Além de ser detido por causa do assassinato por policiais da Delegacia de Homicídios de São Bernardo, Pereira também é acusado de fazer proteção a uma boca de tráfico na favela da Vila São Pedro, um dos principais pontos de distribuição de drogas do Grande ABC.

Quinta-feira pela manhã, no momento da prisão, Pereira foi encontrado em um barraco da favela com um fuzil caseiro feito por meio de adaptação de uma espingarda calibre 32. Segundo a polícia, no local foram encontrados também um revólver 38, oito cartuchos de espingarda calibre 12, dois celulares roubados e R$ 68 em diversas notas, provavelmente oriundas do tráfico.

Foi detido também um adolescente de 14 anos, acusado de trabalhar com Pereira na proteção da boca. O menor já teve passagem na unidade Brás da Febem por tráfico. Ele negou que fizesse proteção da boca.

O assassinato do desempregado, em 2 de novembro, ocorreu às 23h15 na calçada da rua Jerônimo dos Santos, em frente à padaria Branca de Neve. À noite, o estabelecimento também toca música e algumas pessoas dançam.

Minutos antes do crime, Pereira, conhecido como Baianinho, havia "cantado" uma irmã de Silva. "Eu estava a fim dela. Me aproximei, peguei em seu cotovelo e falei umas gracinhas no seu ouvido. O irmão dela não gostou, deu um tapa em meu rosto e falou para eu ir embora. Não tenho sangue de barata. Saí da padaria e fui pegar uma arma para me vingar."

Pereira afirma que foi buscar um revólver 38 no barracão onde mora, no mesmo lugar em que foi preso quinta-feira. Após pegá-lo, voltou à padaria e encontrou Pereira na calçada. "Descarreguei todas as balas em cima dele. Depois fugi e voltei horas mais tarde para o barraco onde me prenderam quinta-feira", disse o acusado à reportagem na presença de policiais.

"Recebemos informações sobre o possível paradeiro de Pereira e efetuamos a operação. Só não esperávamos encontrar as armas e munições no local", afirmou o delegado Nelson Neves de Oliveira.

Pereira negou que trabalhava para o tráfico da Vila São Pedro. "As armas serviam apenas para proteção. Lá é um local muito perigoso", afirmou. Ele contou que ganhava dinheiro realizando diversos "bicos", dentre os quais venda de cadeiras de balanço.

Sobre o adolescente de 14 anos, o acusado disse que ele é apenas um amigo e, às vezes, o visitava em casa, versão que foi confirmada pelo menor. "Não tenho nada a ver com essas armas e nem com o tráfico. Apenas estava dentro do barraco quando a polícia chegou", afirmou o adolescente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;