Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Camiseta de PET made in Grande ABC


Isis Mastromano Correia
Especial para o Diário

08/05/2007 | 07:05


Do lixo para o guarda-roupa, as garrafas PET recicladas vêm ganhando espaço na indústria têxtil. Em Santo André e São Bernardo, a Montelban e a Loyal Confecções produzem a camiseta ecológica, feita a partir da mistura do algodão com o Poli Tereftalato de Etileno (significado de PET).

Numa época em que ficar fora da moda é também sinônimo de pouca consciência ambiental, a produção das camisetas com fibra plástica garante benefício ao meio ambiente e faz a cabeça dos ecologicamente corretos. “As pessoas estão preocupadas em consumir alimentos saudáveis, então, por que não optar por roupas que respeitam a natureza?”, questiona a empresária Camila Soto, da Loyal Confecções.

Há também o caráter social envolvido no feitio das peças, já que a matéria-prima para a fibra de PET, ou seja, as garrafas adquiridas pelas empresas, geram renda também aos catadores de recicláveis. Em média, são necessárias de duas e meia a três garrafas para fabricar uma camiseta.

E se você imaginou um tecido duro por conta do plástico, pode rever seu conceito. A textura não difere em nada das camisetas 100% algodão que estamos habituados a vestir. “Hoje, falta divulgação do produto, por isso é mais difícil encontrar em lojas dos shoppings”, lamenta Silvio Henckel, da Montelban, cuja camiseta já vestiu a diarista Cláudia Rodrigues, da TV Globo, e figurou no evSão Paulo Fahion Week.

A Loyal também produz para grifes que procuram agregar o conceito de bem-estar à não-agressão ao meio ambiente, como a Taeq. Quando as pesquisas com PET começaram em larga escala nos laboratórios europeus e dos Estados Unidos, nos anos 1950, o material era usado justamente na indústria têxtil e não em embalagens. A aplicação com a qual estamos habituados ocorreu somente duas décadas depois. No Brasil, o PET chegou em 1988 e teve trajetória semelhante à dos demais países para, na década de 1990, ser utilizado em recipientes, principalmente de refrigerantes.

Flakes - A Unnafibras, de Santo André, produz fibra de PET reciclado, a mesma que misturada ao algodão dá vida às camisetas ecológicas. De acordo com o gerente de vendas da empresa, Helio Rubens Losito, 60 milhões de garrafas de 2l são recicladas por mês pela indústria, porém, a aplicação têxtil ainda é tímida.

“Em Mauá, está uma de nossas unidades recicladoras, onde a garrafa é recebida e preparada. O material chega para nós em forma de flakes (flocos), que serão transformados em fibra, vendida a quem utiliza o poliéster puro ou na mistura com o algodão”, explica. Segundo Losito, a unidade recicladora de Mauá é responsável pelo reaproveitamento de 30 milhões de garrafas de 2l /mês para o feitio de fibras. (Supervisão de Adriana Gomes)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;