Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Tokuzumi é primeiro
convocado pela CPI

Diretor que confirmou suposto esquema de extorsão no
Semasa prestará depoimento na próxima quarta-feira


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

16/03/2012 | 07:03


O diretor do departamento de Gestão Ambiental do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), Roberto Tokuzumi, é o primeiro convocado a prestar esclarecimentos na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), instaurada terça-feira na Câmara. Na reunião inaugural do grupo, ontem, o depoimento do delator do suposto esquema de venda de licenças ambientais na autarquia ficou marcado para quarta-feira, às 9h, no plenarinho.

A partir das declarações de Tokuzumi é que a CPI irá deliberar as próximas oitivas. Segundo a ação, ratificada pelo comissionado e sob averiguação também do Ministério Público e Polícia Civil, a liberação do documento somente saía mediante cobranças a empresas. Ele relata que sofreu pressão do adjunto da autarquia, Dovilio Ferrari Filho, e do advogado Calixto Antônio Júnior para participar do esquema de extorsão, montado a poucos metros da sala do superintendente, Ângelo Pavin.

Após intervenção do prefeito Aidan Ravin (PTB) na formação da CPI, a composição dos poderes dentro do bloco ficou estabelecida de acordo com a vontade do petebista. Conforme adiantado pelo Diário, os vereadores Donizeti Pereira (PV) e Toninho de Jesus foram oficializados como presidente e relator, respectivamente. Os parlamentares apenas avalizaram ontem o pacto preestabelecido anteriormente no gabinete do prefeito.

Único vereador de oposição na CPI, José Montoro Filho, o Montorinho (PT), alegou que aceitou a distribuição dos cargos internos para não forçar uma situação já comprometida. "Sou minoria. O Executivo avisou que não queria, foi ordem expressa. Preferi não insistir (para compor a presidência ou relatoria) para evitar clima ruim logo de começo."

O petista depôs ontem à Seccional de Santo André. Ele confirmou, na oitiva, que recebeu dossiê da fraude no Semasa e que seria prevaricação abafar o caso. "Entreguei cópia ao MP. Deixei claro que existem outros empreendimentos grandes na cidade que não estavam nos processos, mas tinham problemas. Há denúncia sobre o licenciamento e receberam o documento no mesmo período da denúncia (entre outubro e março)."

Donizeti Pereira garantiu que há interesse em apurar o eventual crime praticado nas dependências da autarquia. Segundo o presidente, a intenção é formatar trabalho transparente "dentro das limitações do ser humano". "Não queremos cair em descrédito. Vamos ouvir todos os envolvidos no episódio. O primeiro passo está sendo tomado (depoimento do diretor), depois daremos sequência, sem colocar o carro na frente dos bois."

Composta por cinco integrantes, sendo quatro aliados e só um oposicionista, a comissão possui prazo de 45 dias para investigação, prorrogáveis ou não. O quinteto definiu ainda a estrutura da comissão, que pecou no encontro inicial. Não havia sala para realizar a reunião - usaram o gabinete da presidência. Eles oficiaram os departamentos da Câmara para que todos os encontros sejam gravados, filmados e tenham funcionários na área de taquigrafia e advocacia para auxiliar nos trabalhos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;