Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Azulão adota medidas preventivas contra lesões de seus jogadores


Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

02/08/2010 | 07:04


 

A longa duração da Série B do Campeonato Brasileiro levou o São Caetano a adotar medidas preventivas para tentar diminuir os riscos de lesões na região do púbis e estiramentos musculares, as mais comuns em atletas de futebol. O trabalho, explica o fisiterapeuta Bruno Brown Fontes, 30 anos, consiste no fortalecimento muscular da região abdominal e da musculatura de coxas e pernas.

Segundo Fontes, que chegou ao clube em janeiro e comandou a pré-temporada em Águas de Lindóia, a ênfase de seu trabalho é dada mais na região abdominal, porque é a que deixa o jogador em tratamento por mais tempo.

"Dividimos o time em grupos. Duas vezes por semana cada grupo chega uma hora antes para fazer as atividades. Com esse trabalho, você trata quem já teve problema e previne que outros venham a tê-lo. Com isso, reduz as chances de o atleta ir para o departamento médico", disse o especialista.

Na avaliação do profissional, a atividade traz ganhos ao atleta e ao clube. "Com a diminuição dos riscos de lesão, o atleta está cada vez mais apto a jogar, o que economicamente é ideal para o clube. Ninguém quer pagar atleta para ele ficar a todo momento se tratando."

De acordo com Fontes, as lesões abdominais podem ocorrer durante o impacto com o solo nos saltos para cabeceio, ou mesmo durante as corridas em campos pesados, duros e sem boas condições e mesmo durante o movimento do quadril nos chutes. "Esses impactos mexem muito com a região pubiana. Se o quadril não estiver bem equilibrado (com potência muscular), ocasiona dores."

Conforme explica o fisioterapeuta, no alinhamento de quadril é usada a chamada técnica de Dejarnette, na qual algumas cunhas são colocadas na cintura do jogador. Na atividade, voltada para relaxar e soltar a parte da musculatura que estiver tensa, também são usadas bolas de tênis.

Já em relação à musculatura das coxas são usadas as chamadas ventosas, equipamento que, pressionado, faz com que o ar liberado puxe os músculos para ativar a circulação sanguínea. "Com a ativação da corrente sanguínea local, é possivel colocar em circulação o sangue que possa estar estagnado."

O lateral-direito Artur e o meia Everton Ribeiro, que já tiveram problemas na região do púbis e participam do tratamento de prevenção, aprovam a medida. "Comecei a sentir no início do ano, mas agora que faço esse trabalho de fortalecimento não é mais frequente", comentou Artur.

Everton conta que convivia com as dores desde o ano passado. "Sentia um pouco sempre depois que pegávamos campos pesados, com pouca grama, ou também gramado muito alto. Quando molham o campo, já diminui um pouco o impacto. Agora, após essas atividades, já aliviou bastante."

 

Atividade ainda é precária, diz Fontes

 

Antes de ser contratado pelo São Caetano, no início de janeiro, o fisioterapeuta Bruno Brown Fontes trabalhou por seis meses no Ismaily, equipe de futebol da Primeira Divisão do Egito. Passou também uma temporada no Al Hilal, do Sudão. O fisioterapeuta diz que a estrutura profissional nestes países, e mesmo no Brasil, sobretudo nas médias e pequenas equipes, ainda é muito precária.

"Não é só a estrutura de trabalho. Nestes países faltam profissionais nesta área. Em alguns clubes, tanto fora como no Brasil, o trabalho que fazemos aqui no São Caetano é desenvolvido por preparadores físicos. No Brasil, até em clube da Série A, o trabalho é precário. Na Série B, então, nem se fala", destacou.

Segundo Fontes, a falta de profissional adequado para a atividade traz prejuízos aos clubes. "Quando não se faz o tratamento adequado, você pode estar tratando a dor e não o problema. Com isso, o jogador é entregue ao departamento médico e pode demorar mais tempo a voltar. É prejuízo para o clube, porque o atleta fica parado e não rende para o time."

Natural do Rio de Janeiro, Fontes começou a trabalhar com futebol há dois anos. Iniciou na equipe de futebol de salão do Botafogo. Em seguida, ficou três anos prestando serviços à Marinha, até que seguiu para o Al Hilal e depois para o Ismaily.

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;