Fechar
Publicidade

Domingo, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara de São Bernardo investiga diploma falso

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Matheus Silva Moreira

06/11/2021 | 09:53


A Câmara de São Bernardo, presidida por Estevão Camolesi (PSDB), abriu procedimento administrativo disciplinar para apurar conduta de ex-assessor do vereador e líder de governo do prefeito Orlando Morando (PSDB), Ivan Silva (PP), Wellington Aparecido dos Santos Pereira.

O procedimento foi instaurado após a suspeita de que Pereira teria apresentado diploma de ensino superior falso. O processo foi instaurado no dia 22 de outubro e aguarda análise na Procuradoria da casa.

O procedimento administrativo surge após o comando do Legislativo dar ultimato aos vereadores para que obedeçam determinação do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que ordenou que a casa instituísse exigência de diploma de ensino superior para ocupação dos cargos comissionados.

As mudanças foram implementadas por reforma administrativa aprovada em 2017, durante gestão do ex-presidente da Câmara Pery Cartola (PSDB), atual secretário de Cidadania e de Pessoa com Deficiência do governo Morando. Foi nessa época que ficaram estabelecidos os requisitos mínimos de escolaridade para certas funções legislativas. Em cargos de livre provimento, indicações para chefia de gabinete e de assessoria de relações parlamentares e de políticas públicas, há necessidade de diploma de ensino superior.

Ivan Silva, ex-chefe de Pereira, afirmou que, assim que ele ficou sabendo da possibilidade de que a documentação de escolaridade apresentada pelo então comissionado poderia ser falsa, exonerou o colaborador. O parlamentar sustenta que não sabia que o diploma não seria verdadeiro e que o funcionário atuou no gabinete por aproximadamente um ano. “Só fiquei sabendo quando a Câmara me comunicou, porque a gente não tem competência nem técnica para saber se o diploma é verdadeiro. A gente pergunta para pessoa se ela tem curso superior e ela fala que tem, a gente acaba acreditando. Quando a Câmara me comunicou que o diploma dele estava com dificuldade de ser certificado, eu o exonerei na mesma hora”, assegurou o parlamentar.

O Diário também entrou em contato com Pereira, que confirmou o procedimento administrativo e assegurou que deverá comparecer ao Legislativo na semana vem para prestar depoimento. “A Câmara mandou uma carta pedindo para comparecer no Legislativo para prestar depoimento na semana que vem. Acho que isso deve acontecer entre quarta-feira e quinta, não me lembro bem ao certo”, declarou. O ex-assessor, entretanto, sustentou que irá provar a autenticidade do diploma. “Sou formado em logística, no ano de 2015, no Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) de Rio Claro (Interior)”, alegou o ex-assessor. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;