Fechar
Publicidade

Sábado, 30 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bancários vão definir nesta terça-feira greve de 24h


Eric Fujita e
Frederico Rebello Nehme
Do Diário do Grande ABC

26/09/2005 | 08:01


Os bancários definem nesta terça-feira os detalhes da paralisação de 24 horas programada para quarta-feira. O objetivo é pressionar a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) a oferecer proposta superior à apresentada semana passada. A greve acontece em diversos pontos do país, e afetará as sete cidades do Grande ABC, que terão suas agências fechadas durante todo o dia.

Os dirigentes dos bancos ofereceram o reajuste de 4% mais o abono único de R$ 1.000, oferta abaixo dos 11,77% de reajuste (inflação mais aumento real) reivindicados pela CNB (Confederação Nacional dos Bancários), ligada à CUT (Central Única dos Trabalhadores).

Além do reajuste, os bancários pedem mudanças na PLR (Participação nos Lucros e Resultados), que passaria a valer um salário mensal acrescido de R$ 788 – hoje vale 80% de um salário mais R$ 733. Para a PLR, a Fenaban propõe a aplicação de 4% sobre o adicional de R$ 733.

A categoria, que tem data-base em setembro, promete deflagar greve geral a partir de 6 de outubro, se as negociações com a Fenaban não avançarem. Não há data marcada para a próxima rodada de negociações entre bancos e trabalhadores.

Petroleiros – A FUP (Federação Única dos Petroleiros) também continua nesta semana a negociação com a Petrobras. A categoria, que ainda não recebeu uma proposta da empresa, pede o reajuste de 9,89% (inflação mais aumento real).

Os petroleiros também querem a unificação dos pisos salariais, reorganização de cargos e salários e mudanças no funcionamento do fundo de pensão Petros. No próximo dia 30, haverá reunião entre Petrobras e trabalhadores sobre o assunto.

Metalúrgicos – Os metalúrgicos de São Bernardo e Diadema continuam nesta segunda-feira a série de paralisações nas empresas do Grupo 9, devido ao impasse nas negociações salariais. O movimento começou há duas semanas.

A categoria pede reposição de 4,66% da inflação e aumento real de 3%. O grupo da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) mantém proposta de reajuste de 2,09% acima da inflação.

A expectativa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (filiado à CUT) é que os negociadores apresentem nova proposta nesta semana. Caso isso não aconteça, a idéia é ampliar o movimento. Não está descartada a possibilidade de greves por tempo indeterminado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bancários vão definir nesta terça-feira greve de 24h

Eric Fujita e
Frederico Rebello Nehme
Do Diário do Grande ABC

26/09/2005 | 08:01


Os bancários definem nesta terça-feira os detalhes da paralisação de 24 horas programada para quarta-feira. O objetivo é pressionar a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) a oferecer proposta superior à apresentada semana passada. A greve acontece em diversos pontos do país, e afetará as sete cidades do Grande ABC, que terão suas agências fechadas durante todo o dia.

Os dirigentes dos bancos ofereceram o reajuste de 4% mais o abono único de R$ 1.000, oferta abaixo dos 11,77% de reajuste (inflação mais aumento real) reivindicados pela CNB (Confederação Nacional dos Bancários), ligada à CUT (Central Única dos Trabalhadores).

Além do reajuste, os bancários pedem mudanças na PLR (Participação nos Lucros e Resultados), que passaria a valer um salário mensal acrescido de R$ 788 – hoje vale 80% de um salário mais R$ 733. Para a PLR, a Fenaban propõe a aplicação de 4% sobre o adicional de R$ 733.

A categoria, que tem data-base em setembro, promete deflagar greve geral a partir de 6 de outubro, se as negociações com a Fenaban não avançarem. Não há data marcada para a próxima rodada de negociações entre bancos e trabalhadores.

Petroleiros – A FUP (Federação Única dos Petroleiros) também continua nesta semana a negociação com a Petrobras. A categoria, que ainda não recebeu uma proposta da empresa, pede o reajuste de 9,89% (inflação mais aumento real).

Os petroleiros também querem a unificação dos pisos salariais, reorganização de cargos e salários e mudanças no funcionamento do fundo de pensão Petros. No próximo dia 30, haverá reunião entre Petrobras e trabalhadores sobre o assunto.

Metalúrgicos – Os metalúrgicos de São Bernardo e Diadema continuam nesta segunda-feira a série de paralisações nas empresas do Grupo 9, devido ao impasse nas negociações salariais. O movimento começou há duas semanas.

A categoria pede reposição de 4,66% da inflação e aumento real de 3%. O grupo da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) mantém proposta de reajuste de 2,09% acima da inflação.

A expectativa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (filiado à CUT) é que os negociadores apresentem nova proposta nesta semana. Caso isso não aconteça, a idéia é ampliar o movimento. Não está descartada a possibilidade de greves por tempo indeterminado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;