Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ataques rebeldes provocam fuga em Angola


Do Diário do Grande ABC

06/09/2000 | 11:29


Ataques rebeldes e enfrentamentos diários fizeram com que mais de quatro mil fazendeiros do distrito de Nhareya, no Centro de Angola, fugissem para um campo de refugiados mais ao Norte.

``Ataques a tiros acontecem diariamente em Nhareya. Muitas pessoas morreram nos últimos dias'', contou nesta quarta-feira Jerônimo Francisco, que acaba de completar o trajeto de mais de 100 quilômetros até o campo de Kunje.

Centenas de pessoas estao chegando em Kunje, no Norte de Kuito, capital da província de Bie. Alguns refugiados dizem que rebeldes da Uniao Nacional Para a Independência Total de Angola (UNITA) estao seqüestrando meninas e meninos nos vilarejos.

``Nao tivemos tempo nem de trazer nossas coisas'', lamentou Pedro Sapilinha, um homem que trouxe os seis filhos, todos com menos de 15 anos, da área de conflito. ``Nós sofremos muito'', acrescentou uma das crianças.

Refugiados que chegaram em Kunje contaram que muitos nao conseguiram completar o trajeto. Alguns foram mortos por minas terrestres e dezenas estao morrendo devido a ferimentos. ``Algumas pessoas estao tao fracas, que chegam a cair no chao'', contou Sapilinha. Crianças disseram ter caminhado descalças por sete dias.

A província de Bie vem sendo cenário dos piores enfrentamentos da guerra civil entre a UNITA e as forças do Governo, que vem devastando o país desde a independência, em 1975.

Os acordos de paz promovidos pela ONU ocasionaram interrupçoes temporárias do conflito. Depois de tentar - sob pressao internacional - negociar com o líder veterano da UNITA Jonas Savimbi, o Governo do presidente José Eduardo dos Santos declarou-o criminoso de guerra e tenta aniquilar os rebeldes com o uso da força.

Analistas estrangeiros acreditam que nenhum lado conseguirá uma vitória total, ao mesmo tempo em que a ONU e outras agências de ajuda humanitária praticamente nao conseguem acesso a milhares de civis que passam fome.

Os vilarejos de Kayeya, Ndambo e Lubine, no distrito de Nhareya, estao entre os afetados pelas operaçoes da UNITA. ``Eles estao quase desertos atualmente. Ninguém quer ficar'', contaram sobreviventes.

Em Kunje, os angolanos vivem em barracos construídos em uma encosta. O campo é administrado por ONGs européias, com suprimentos da ONU.

Testemunhas e fontes de Kuito reportaram combates entre os rebeldes de Savimbi e tropas do Governo no Norte da província de Bie. O conflito aumentou depois do ataque rebelde do último domingo em Calucinga, 60 quilômetros ao Norte da cidade de Andulo, controlada pelo Governo.

Organizaçoes de ajuda humanitária calcularam o número de refugiados da regiao em 17.045, além dos 136.889 registrados oficialmente em Kuito desde a retomada dos combates, em dezembro de 1998.

A populaçao da província de Bie é de cerca de 900 mil pessoas.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;