Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Restrições para conter pandemia geram crise política na Argentina



15/04/2021 | 21:20


Com uma alta no número de casos e mortes por conta da covid-19, as novas restrições impostas na Argentina para buscar conter as infecções geraram intensas divergências entre as lideranças do país. Na residência oficial em Olivos, protestos contra as medidas anunciadas na quarta-feira, 14, pelo presidente, Alberto Fernández, foram registrados, e figuras da oposição, como o ex-presidente Maurício Macri criticaram as decisões.

Um dos principais pontos de discussão é o fechamento de escolas, anunciado ontem para a Área Metropolitana de Buenos Aires por Fernández. Em seu Twitter, Macri escreveu que a "improvisação e inépcia, também no manejo da pandemia, geraram angústia e raiva nos argentinos". "Não há dúvida de que as escolas devem permanecer abertas", acrescentou. Ele também pediu para que "a cidade atue fazendo cumprir sua Constituição e sua autonomia".

Na mesma rede social, o prefeito da cidade de Buenos Aires, Horácio Larreta, e aliado de Macri, afirmou que sua "responsabilidade é fazer tudo ao nosso alcance para garantir as aulas presenciais", e cogitou levar o tema à Suprema Corte. Uma reunião entre Larreta e Fernández sobre o tema foi proposta pela líder portenho.

Por sua vez, o governador da Província de Buenos Aires, Axel Kicillof, peronista e aliado ao presidente, confirmou as medidas para a região, que não tem jurisdição sobre a capital. Em coletiva de imprensa, Kicillof afirmou que "desde o começo da pandemia estamos tentando coordenação" com Larreta, e acusou o prefeito de Buenos Aires de tentar usar o momento de forma política.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde da Argentina publicados hoje, o país teve no último dia 383 mortos, em um total de 58.925, e 24.999 casos de covid-19.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Restrições para conter pandemia geram crise política na Argentina


15/04/2021 | 21:20


Com uma alta no número de casos e mortes por conta da covid-19, as novas restrições impostas na Argentina para buscar conter as infecções geraram intensas divergências entre as lideranças do país. Na residência oficial em Olivos, protestos contra as medidas anunciadas na quarta-feira, 14, pelo presidente, Alberto Fernández, foram registrados, e figuras da oposição, como o ex-presidente Maurício Macri criticaram as decisões.

Um dos principais pontos de discussão é o fechamento de escolas, anunciado ontem para a Área Metropolitana de Buenos Aires por Fernández. Em seu Twitter, Macri escreveu que a "improvisação e inépcia, também no manejo da pandemia, geraram angústia e raiva nos argentinos". "Não há dúvida de que as escolas devem permanecer abertas", acrescentou. Ele também pediu para que "a cidade atue fazendo cumprir sua Constituição e sua autonomia".

Na mesma rede social, o prefeito da cidade de Buenos Aires, Horácio Larreta, e aliado de Macri, afirmou que sua "responsabilidade é fazer tudo ao nosso alcance para garantir as aulas presenciais", e cogitou levar o tema à Suprema Corte. Uma reunião entre Larreta e Fernández sobre o tema foi proposta pela líder portenho.

Por sua vez, o governador da Província de Buenos Aires, Axel Kicillof, peronista e aliado ao presidente, confirmou as medidas para a região, que não tem jurisdição sobre a capital. Em coletiva de imprensa, Kicillof afirmou que "desde o começo da pandemia estamos tentando coordenação" com Larreta, e acusou o prefeito de Buenos Aires de tentar usar o momento de forma política.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde da Argentina publicados hoje, o país teve no último dia 383 mortos, em um total de 58.925, e 24.999 casos de covid-19.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;