Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

JPMorgan melhora projeção de PIB do Brasil em 2020 para -4,7%, mas eleva IPCA

Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/11/2020 | 09:17


O JPMorgan melhorou a projeção de desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil este ano, de contração de 4,9% para queda de 4,7%. A estimativa de 2021 foi mantida em crescimento de 2,5%, de acordo com relatório neste sábado.

O banco americano revisou ainda a estimativa para a inflação no Brasil este ano e espera que o IPCA fique em 3,4%, por conta da expectativa de que a pressão nos preços do atacado prossiga por mais um tempo. Na projeção anterior, o índice oficial de inflação ficaria em 3% em 2020.

A estimativa do IPCA de 2021 foi mantida em 3,2%, mas o JP alerta para dois possíveis riscos e a serem monitorados: o comportamento da pressão inflacionária de curto prazo e os fundamentos fiscais do Brasil. Se o aumento de gastos fiscais observado em 2020 for prorrogado para o ano que vem, a inflação pode ser significativamente mais alta, ressalta o banco americano.

Fiscal

O JPMorgan fez revisões nas projeções fiscais para o Brasil, após o Congresso aprovar uma série de projetos esta semana que aumenta algumas despesas e rearranja outras. O banco estima aumento de gastos de R$ 5,9 bilhões este ano.

Ao mesmo tempo, a rejeição da proposta

de extensão do seguro-desemprego por mais dois meses evita uma despesa de R$ 16,7 bilhões, que estava incluída nas estimativas do JP. Por isso, o banco reduziu a previsão de déficit primário para este ano de R$ 913 bilhões para R$ 903 bilhões. A previsão de déficit primário caiu de 13,1% para 12,3%. A dívida bruta em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) também teve ajuste, de 96,2% para 96%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

JPMorgan melhora projeção de PIB do Brasil em 2020 para -4,7%, mas eleva IPCA


07/11/2020 | 09:17


O JPMorgan melhorou a projeção de desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil este ano, de contração de 4,9% para queda de 4,7%. A estimativa de 2021 foi mantida em crescimento de 2,5%, de acordo com relatório neste sábado.

O banco americano revisou ainda a estimativa para a inflação no Brasil este ano e espera que o IPCA fique em 3,4%, por conta da expectativa de que a pressão nos preços do atacado prossiga por mais um tempo. Na projeção anterior, o índice oficial de inflação ficaria em 3% em 2020.

A estimativa do IPCA de 2021 foi mantida em 3,2%, mas o JP alerta para dois possíveis riscos e a serem monitorados: o comportamento da pressão inflacionária de curto prazo e os fundamentos fiscais do Brasil. Se o aumento de gastos fiscais observado em 2020 for prorrogado para o ano que vem, a inflação pode ser significativamente mais alta, ressalta o banco americano.

Fiscal

O JPMorgan fez revisões nas projeções fiscais para o Brasil, após o Congresso aprovar uma série de projetos esta semana que aumenta algumas despesas e rearranja outras. O banco estima aumento de gastos de R$ 5,9 bilhões este ano.

Ao mesmo tempo, a rejeição da proposta

de extensão do seguro-desemprego por mais dois meses evita uma despesa de R$ 16,7 bilhões, que estava incluída nas estimativas do JP. Por isso, o banco reduziu a previsão de déficit primário para este ano de R$ 913 bilhões para R$ 903 bilhões. A previsão de déficit primário caiu de 13,1% para 12,3%. A dívida bruta em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) também teve ajuste, de 96,2% para 96%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;