Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Empresário assume controle e dívidas do futebol do São Caetano

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Fernando Rocha Garcia chega com a responsabilidade de quitar passivo e resgatar o Azulão


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

06/07/2020 | 12:46


O empresário paulista Fernando Rocha Garcia, 38 anos, assume nesta segunda-feira o comando do futebol do São Caetano. Diretor-proprietário da Detrilog Construções e Serviços Ambientais, ele não realizou a compra da São Caetano Futebol LTDA. mas, sim, assumiu o passivo, que especula-se ser na casa dos R$ 20 milhões. A ideia do agora mandatário do Azulão é colocar a casa em ordem, quitando as dívidas, e recolocar a equipe novamente em destaque, um passo por vez, partindo da busca pelo acesso no Campeonato Paulista da Série A-2 e no Brasileiro da Série D.

"Gosto de futebol. Estava há algum tempo procurando um clube e houve a aproximação com o São Caetano. Demorou (para fechar), para fazer de maneira segura para todos os lados. Queremos resgatar os anos de glória. Seria grande tristeza ver o São Caetano continuar como estava", disse Fernando, ciente das dívidas (os atrasos salariais se aproximam de três meses). "Foi feita uma transação para assumir o passivo. Não tem nenhum investimento. A entrada é pela troca do passivo", emendou o empresário.

No contrato não está previsto nenhum tipo de prazo de vencimento ou encerramento da gestão. "Assumo hoje. A intenção é organizar, botar a folha em dia e começar a arrumar. O combinado foi pela quitação, o quanto antes, de todas as despesas", decretou Fernando, que será o único sócio.

Presidente por 25 anos, Nario Ferreira de Souza exaltou o desfecho da negociação. "O São Caetano precisa de pessoa que venha para fazer o futebol na cidade. Passamos por dificuldades de novembro para cá, momento delicado. Mas não estamos vendendo, até porque não é nosso. Estamos repassando a parceria, porque a LTDA foi criada para gerir o futebol da Associação (Desportiva São Caetano). Apareceu o Fernando. Apresentamos os valores dos débitos. Hoje o clube deve na casa dos R$ 20 milhões. E estou feliz em saber que existe alguém para dar condição e tocar esse clube, que não pode parar. O Fernando é bem sucedido e tem condição de fazer trabalho bonito", disse o ex-mamdatário, que aproveitou para agradecer a importância que o empresário Saul Klein teve nos 20 anos de parceria com o Azulão, exaltou que o clube deve muito a ele, pelo sucesso alcançado durante este "casamento".

Por fim, Nairo falou sobre um dos desafios iniciais que a nova gestão vai encontrar. "A minha preocupação sempre foi com os funcionários e muitos foram mandados embora e sem acordos. Alguns com 10, 15 anos de casa, foram simplesmente ''''espirrados'''' do clube. Pessoas que vestiam a camisa. Não adianta ter dinheiro e não saber fazer gestão. Aconteceram verdadeiros absurdos e o Fernando está chegando para resgatar tudo e colocar o São Caetano no lugar dele", finalizou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresário assume controle e dívidas do futebol do São Caetano

Fernando Rocha Garcia chega com a responsabilidade de quitar passivo e resgatar o Azulão

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

06/07/2020 | 12:46


O empresário paulista Fernando Rocha Garcia, 38 anos, assume nesta segunda-feira o comando do futebol do São Caetano. Diretor-proprietário da Detrilog Construções e Serviços Ambientais, ele não realizou a compra da São Caetano Futebol LTDA. mas, sim, assumiu o passivo, que especula-se ser na casa dos R$ 20 milhões. A ideia do agora mandatário do Azulão é colocar a casa em ordem, quitando as dívidas, e recolocar a equipe novamente em destaque, um passo por vez, partindo da busca pelo acesso no Campeonato Paulista da Série A-2 e no Brasileiro da Série D.

"Gosto de futebol. Estava há algum tempo procurando um clube e houve a aproximação com o São Caetano. Demorou (para fechar), para fazer de maneira segura para todos os lados. Queremos resgatar os anos de glória. Seria grande tristeza ver o São Caetano continuar como estava", disse Fernando, ciente das dívidas (os atrasos salariais se aproximam de três meses). "Foi feita uma transação para assumir o passivo. Não tem nenhum investimento. A entrada é pela troca do passivo", emendou o empresário.

No contrato não está previsto nenhum tipo de prazo de vencimento ou encerramento da gestão. "Assumo hoje. A intenção é organizar, botar a folha em dia e começar a arrumar. O combinado foi pela quitação, o quanto antes, de todas as despesas", decretou Fernando, que será o único sócio.

Presidente por 25 anos, Nario Ferreira de Souza exaltou o desfecho da negociação. "O São Caetano precisa de pessoa que venha para fazer o futebol na cidade. Passamos por dificuldades de novembro para cá, momento delicado. Mas não estamos vendendo, até porque não é nosso. Estamos repassando a parceria, porque a LTDA foi criada para gerir o futebol da Associação (Desportiva São Caetano). Apareceu o Fernando. Apresentamos os valores dos débitos. Hoje o clube deve na casa dos R$ 20 milhões. E estou feliz em saber que existe alguém para dar condição e tocar esse clube, que não pode parar. O Fernando é bem sucedido e tem condição de fazer trabalho bonito", disse o ex-mamdatário, que aproveitou para agradecer a importância que o empresário Saul Klein teve nos 20 anos de parceria com o Azulão, exaltou que o clube deve muito a ele, pelo sucesso alcançado durante este "casamento".

Por fim, Nairo falou sobre um dos desafios iniciais que a nova gestão vai encontrar. "A minha preocupação sempre foi com os funcionários e muitos foram mandados embora e sem acordos. Alguns com 10, 15 anos de casa, foram simplesmente ''''espirrados'''' do clube. Pessoas que vestiam a camisa. Não adianta ter dinheiro e não saber fazer gestão. Aconteceram verdadeiros absurdos e o Fernando está chegando para resgatar tudo e colocar o São Caetano no lugar dele", finalizou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;